Bauza não acredita em erro nas substituições e vê expulsão forçada

Edgardo Bauza concedeu uma de suas entrevistas coletivas mais curtas desde que chegou ao São Paulo. Apesar da derrota por 2 a 0 para o Atlético Nacional (COL) no Morumbi, que deixa o time em situação delicadíssima na Copa Libertadores da América, Patón aparentava tranquilidade. E a calma seguiu até quando as alterações do treinador no jogo foram questionadas.

Quando Maicon foi expulso por confusão com o centroavante Borja, o argentino não quis recompor a defesa com a entrada de Diego Lugano, opção no banco de reservas. Com Mena formando dupla com Rodrigo Caio na zaga e Michel Bastos na lateral-esquerda, o Tricolor levou o primeiro gol colombiano. Depois, ele sacou Wesley e lançou Hudson para ser zagueiro.

- Não creio (que ter errado), para mim a expulsão foi equivocada. Vou repetir, poderia ter entrado o Lugano no lugar de um atacante, mas tínhamos que ganhar. Mena esteve um tempo, não todo tempo de zagueiro, depois passei Hudson para jogar atrás. Era muito mais complicado porque Nacional controla muito bem a bola e teve mais espaços - argumentou.

Bauza apontou dois fatores para a impactante derrota são-paulina no Morumbi: a questionável expulsão de Maicon e a ausência de Paulo Henrique Ganso. O técnico apostou em Ytalo como meia centralizado, mas viu o atacante sumir em campo. Para ele, o São Paulo ainda assim criou demais e esteve perto de ter um resultado melhor no primeiro jogo da semifinal.

- Sobre a expulsão, vi pela televisão e não me pareceu algo grave. Poderia ter sido amarelo, mas não podemos fazer nada. Lamentavelmente nos prejudicou e muito. Foi uma partida difícil, contra uma equipe muito boa. Tentamos por todos os caminhos, mas sem Ganso perdemos o futebol. Tentamos com dinâmica, mandando os marcadores dos laterais ao ataque, passando os volantes ao ataque... Tivemos cinco ou seis chances, mas não pudemos concretizar. Com a saída de Maicon eu poderia ter feito uma mudança defensiva, mas tínhamos que ganhar a partida, tinha que arriscar. O Nacional nos ganhou de 2 a 0, dificulta muitíssimo a classificação, mas iremos a Medellín com ilusão de virar, sabendo que não vai ser fácil - afirmou, antes de concluir.

- Vamos trabalhar com ideia de poder reverter. Apesar das dificuldades, vamos encontrar uma equipe que vai atacar, não esperar como aqui. Teremos que fazer um trabalho defensivo e tratar de atacar para ver se podemos conseguir pelo menos o primeiro gol. Estamos tristes porque os torcedores chegaram ao Morumbi e não pudemos dar alegria a eles. Pedimos desculpas. A equipe vai seguir dando a vida para demonstrar a todos a gana que temos.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos