Favorável à saída, DIS espera Libertadores para falar sobre venda de Ganso

  • Nelson Almeida/AFP Photo

A novela sobre o futuro de Paulo Henrique Ganso pode não ter enredo tão dramático como na saída do Santos em 2012. São Paulo, estafe do atleta e DIS, grupo investidor que detém a maioria dos direitos econômicos do meia, estão cada vez mais alinhados em discurso e postura. Assim, a saída para o Sevilla (ESP) é questão de tempo.

O clube espanhol tem em mãos uma segunda proposta, que só será analisada pelo Tricolor após o fim da Copa Libertadores da América - o que pode acontecer na próxima quinta-feira. A nova oferta é de 9 milhões de euros (cerca de R$ 33 milhões). O valor pode até estar distante do considerado ideal, mas o clube paulista sabe que pode precisar aceitá-lo para não perder o negócio. Já a DIS acredita que as cifras estão mais próximas do esperado.

"Acredito que seja o momento de negociá-lo. Em breve ele poderá sair sem custos e não é isso o que ele deseja. Não quer prejudicar ninguém, assim como nós não queremos atrapalhá-lo. Particularmente tenho um carinho muito grande pelo Paulo, o trato como um filho. E sei o quão importante para ele seria sair para a Europa. Também sei que seu Delcir (Sonda, dono da DIS) fará o mesmo. Vamos resolver isso", disse o diretor do grupo, Roberto Moreno, ao L!.

Uma forma de acelerar o processo da venda é São Paulo e DIS redistribuírem os direitos econômicos do Maestro. Pelo formato atual, o Tricolor ficaria com cerca de R$ 11 milhões do dinheiro investido pelo Sevilla - quase R$ 6 milhões a menos do que foi pago em 2012. A DIS já atingiria pequeno lucro do que investiu na carreira de Ganso, mas está aberta a negociar parcela de seus direitos. Mas tudo precisará ser bem amarrado pelos tricolores.

"Não tem nada definido sobre mudar essa divisão. Ainda não temos a nova proposta do Sevilla em mãos, mas podemos sentar e conversar, é claro. Tudo pode ser discutido. O que não pode é a DIS, que sempre teve a maioria dos direitos do Ganso, não ficar com a maior parte do dinheiro. Mas vamos esperar, sentar e discutir. Não há pressa, todos sabem e aceitaram que é preciso esperar acabar a Libertadores. Até o Sevilla está ciente ", completou.

QUEM PENSA O QUÊ?

São Paulo

Uma das únicas condições já impostas pela diretoria do São Paulo foi a de não discutir a segunda proposta do Sevilla, da Espanha, antes do término da participação do clube na Copa Libertadores - equipe vai enfrentar o Atlético Nacional na próxima quarta. Antes, ainda com o diretor de futebol Luiz Cunha, a prioridade era renovar com Ganso a qualquer preço. Depois, com a austeridade do diretor-executivo Gustavo Oliveira e o desejo do meia em sair, a velocidade foi reduzida. Para renovar, hoje, o Tricolor terá de oferecer o que não pode. E também não há margem para prendê-lo demais sem perder o negócio ou desmotivar o meia.

PH Ganso

Ganso sempre teve como sonho atuar no futebol europeu. Desde que deixou o Santos e foi para o São Paulo, apenas o Napoli (ITA) esteve perto de formalizar proposta, afastada após o ex-presidente Carlos Miguel Aidar chamar os dirigentes do clube italiano de membros da máfia camorra - fato irritou os europeus na ocasião, que desistiram do negócio. Com o Sevilla na Liga dos Campeões e como vitrine para equipes maiores, o Maestro se animou. A insistência do técnico argentino Jorge Sampaoli em tê-lo também causou empolgação no meia. Ganso não quer deixar o São Paulo e nem a DIS na mão, por isso crê que ser vendido agora seja bom para todos.

 

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos