Executivo diz que sorteios da Copa do Mundo são manipulados, diz jornal

Segundo o jornalista Jamil Chade, do "Estadão", o empresário Benny Alon acusou os sorteios da Copa do Mundo de serem manipulados. Alon trabalhou por anos na organização de Mundiais em parcerias com países-sede e empresas que sustentaram as operações de vendas de entradas para os torneios.

O executivo trava uma batalha judicial contra a Fifa e ajuda nas investigações da justiça suíça. Um dos casos citados por ele envolve o sorteio da Copa de 1994, nos Estados Unidos.

- Um dia antes do sorteio, estava com os organizadores que me confirmavam a pressão do México para jogar em Orlando. Não sei como fizeram com as bolinhas. Mas a realidade é que o pedido dos mexicanos foi atendido no sorteio - revelou.

O desejo dos mexicanos estava ligado a uma importante comunidade de torcedores em Orlando e a interesses de patrocinadores. A seleção caiu no grupo E, que jogaria na Flórida e em Washington, com Irlanda, Itália e Noruega.

Segundo a reportagem, a Fifa foi procurada para responder às denúncias do executivo, mas não se pronunciou. Em junho deste ano, o ex-presidente da entidade, Joseph Blatter, disse em entrevista ao jornal argentino La Nación que sorteios para torneios europeus foram alvos de manipulação, mas que nunca houve irregularidades em Mundiais.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos