Palmeiras se inspira em história recente para findar tabu no Beira-Rio

  • Eduardo Knapp/Folhapress

    Palmeiras defende liderança em Porto Alegre, mas tem pela frente longo jejum

    Palmeiras defende liderança em Porto Alegre, mas tem pela frente longo jejum

Sempre que o Palmeiras se prepara para enfrentar o Internacional no Beira-Rio, o longo jejum do time no estádio volta a ser citado. A última vitória do Verdão na casa do Colorado foi em 1997, há quase 19 anos, ou 14 jogos. Para finalmente encerrar este tabu, o time de Cuca será respaldado pelos feitos dos últimos dois anos.

Já com o atual treinador, o Palmeiras acabou com duas marcas negativas: 21 anos sem vitórias sobre o Corinthians no Pacaembu e sete anos sem ganhar do Sport em Pernambuco. Para Cuca, o desempenho ruim em quase duas décadas no Beira-Rio influi pouco na preparação para domingo.

- Tabu, lógico, é uma história que existe, mas foi feito com outros profissionais. Eu não estava aqui e recentemente a gente não vencia o Corinthians no Pacaembu há muito tempo, o Sport na Ilha... Essas coisas acontecem. Se for um dia para ganhar, vamos ganhar. Tomara que a gente faça um jogo bom - afirmou o treinador.

Fernando Prass acompanhou o discurso do seu treinador.

- Foi em 1997, nenhum jogador jogava aqui ou lá. São histórias que servem para estatística mesmo, para nós que trabalhamos durante a semana não influencia em nada - completou o camisa 1.

No ano passado, Cruzeiro e Fluminense foram times contra os quais o Verdão também quebrou marcas negativas: a vitória por 3 a 2 na Copa do Brasil foi a primeira em cima da Raposa no Mineirão desde 2009, enquanto o Palmeiras fez 4 a 1 no Flu em pleno Maracanã e acabou com os oito anos sem bater o time tricolor no estádio.

Mais do que esquecer esse tabu, um bom resultado no Beira-Rio é necessário para que o Verdão se mantenha na liderança do Brasileiro sem depender dos resultados de Corinthians e Grêmio. Como visitante, o time tem aproveitamento de só 38% dos pontos, com duas vitórias, um empate e três derrotas.

- Foram três jogos bons e três ruins (fora de casa). A gente tem que encontrar o porquê jogou mal e eu busco isso, vejo escalação, como montei o time. Eu me incomodo com isso e incomodo eles também. Eles vão entendendo, às vezes é o mesmo time com outra atitude. Estamos melhorando - avisou Cuca.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos