São Paulo espera Chávez no fim de semana e explica situação de Buffarini

  • Dolores Ochoa/AP

    Chávez deve chegar ao São Paulo até o fim de semana

    Chávez deve chegar ao São Paulo até o fim de semana

O São Paulo tem expectativas bastante distintas sobre quando receberá seus dois últimos reforços da janela de transferências internacionais. Para Julio Buffarini, segue a apreensão sobre as divergências na operação pelo TMS da Fifa. Para Andrés Chávez, o otimismo fala mais alto e o atacante é esperado já para este fim de semana no CT da Barra Funda.

Cedido pelo Boca Juniors (ARG) por uma temporada, o jogador de 25 anos resolve apenas questões burocráticas na Argentina antes de se apresentar ao novo clube. Quando estiver liberado pela Polícia Federal brasileira e com visto de trabalho, poderá iniciar os treinos e ser apresentado. Como vinha jogando no Boca, não deve demorar para estrear.

Já a indefinição por Buffarini por se arrastar por até 15 dias. O clube paulista precisa aguardar a decisão do "player status" da Fifa para saber se a compra junto ao San Lorenzo (ARG) foi validada na última terça-feira. Na ocasião, as equipes cruzaram os dados da transferência a um minuto do fim da janela brasileira de contratações, mas a CBF perdeu o prazo para confirmar a compra.

Os tricolores alegam ter "provas robustas" de que a transação obedeceu o prazo definido e, segundo o diretor-executivo Gustavo Oliveira, o San Lorenzo já se prontificou a reforçar a defesa diante da Fifa. Basicamente, os clubes comprovarão o horário da operação com "prints" das telas dos computadores. Caberá à CBF se explicar para solucionar o caso.

O que a Fifa precisa conceder é um mecanismo chamado "validade de exceção". O problema é que ele costuma ser aplicado para transações em que falhas técnicas interfiram no resultado. Especialistas em direito esportivo dizem que neste caso o erro parece ter sido humano, causado pela demora para concluir as negociações por Buffarini.

O São Paulo alega que houve um desencontro para fechar os últimos detalhes com o presidente do San Lorenzo, Matías Lammens. O dirigente argentino estava em reunião na Associação de Futebol Argentino (AFA) e retardou o desfecho da transação, que também se estendeu pela barganha tricolor - de U$ 2,5 milhões (R$ 8,1 milhões) para U$ 1,8 milhões (R$ 5,9 milhões).

Como os julgamentos da Fifa para casos do tipo são mantidos em sigilo, o São Paulo não tem um histórico para se apoiar e aumentar ou diminuir as esperanças. O fato é que o clube admite que pode ver o negócio fracassar, mas confia que tem provas e argumentos suficientes para receber a validade de exceção da Fifa. Caso contrário, terá de sair novamente ao mercado e deixará Edgardo Bauza frustrado com a ausência de seu pedido mais insistente.

Buffarini, na teoria, encerraria o ciclo de contratações para o segundo semestre. Os tricolores acreditam que as necessidades do elenco foram preenchidas e que possíveis alvos do Campeonato Brasileiro já atingiram o limite de sete partidas em suas equipes. Reforços agora só em situações muito específicas de oportunidades.

 

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos