De aposta a protagonista, Bueno pode chegar à marca importante no Santos

  • Ivan Sorti/Santos FC

Ele é o jogador de ataque que mais jogou no ano. No total, ele contribuiu diretamente ao Santos com 15 gols na temporada. Por essas dicas, o santista poderia apostar que estamos falando de Gabigol, Lucas Lima, ou Ricardo Oliveira? Agora quem dá bola na Vila Belmiro é Vitor Bueno.

Inclusive, se continuar no ritmo de gols e assistências neste domingo, diante do Cruzeiro, às 16h, na Vila Belmiro, pela 17ª rodada do Brasileirão, pode igualar Gabriel como jogador mais participativo em gols do Peixe.

O camisa 10, que está na Seleção Brasileira, tem 13 tentos e quatro assistências, Bueno, por enquanto, tem dez bolas na rede e cinco passes para gol na temporada.

Surpreendente? Só se for para quem o enxerga como aquele garoto que veio do time B e busca seu espaço com muitos outros garotos.

Para Dorival Júnior e para o próprio meia, era de se esperar.

"Não me surpreendi porque acredito no que sou capaz de fazer. Sempre treino forte pensando no jogo mesmo", diz o camisa 18 em entrevista ao LANCE!.

Além da vida do garoto de 21 anos mudar em um ano, seu posicionamento dentro de campo também não é o mesmo. Ao ganhar sequência no time titular, durante o Paulistão desse ano, Bueno começou como meia pela direita, ao lado de Lucas Lima.

Na ausência do camisa 20, passou a atuar mais centralizado. Hoje, com Copete no time, cai pelos lados.

Se continuar se destacando, os desfalques pelas convocações à Seleção Brasileira podem ser frequentes, assim como os de seus amigos.

Antes disso, Vitor Bueno só pensa em cair nas graças de uma nação, mas não a amarela, a santista.

"O que puder fazer para ajudar o Santos, vou fazer, seja gol ou assistência", explica o polivalente.

Como um menino que surge da base, Bueno sabe seu caminho.

Confira o bate-bola de Vitor Bueno:

Você muda de posição rapidamente durante o jogo? O quanto isso mudou ao longo do tempo?
Mudou muito e aprendi muito com o professor Dorival. Ele me posicionou em campo, meu ajudou tecnicamente e taticamente. É perceptível essa mudança. Agora venho mais buscar a bola e o Dorival me pede para ficar livre para fazer o que for melhor na circunstância de jogo.

Como o Dorival te ajudou a conquistar esse espaço?
Ele me dá confiança também, além de liberdade, porque minha posição de origem é meia, gosto de jogar pelas beiradas, mas prefiro buscar a bola. Vou procurar fazer isso mais vezes.

Seus companheiros de ataque têm desfalcado o time. Com esses números, que falta você faria se ficasse fora da equipe?
Não quero ficar fora. Estou pendurado e tento não encostrar em ninguém. Não quero mesmo. Se isso acontecer, temos qualidade para superar isso.

Prefere assistência ou gol?
Vou preferir o que for melhor. Se tiver um companheiro melhor colocado, vou tocar. Se achar que devo chutar, vou fazer.

 

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos