Guerra dos Balcãs ainda expõe "feridas" em atletas

O sorriso fácil de Milena Rasic, titular da seleção de vôlei da Sérvia, desaparece quando o assunto é relembrar uma parte da infância. No fim da década de 90, quando a menina de oito anos ainda não sonhava com a participação numa Olimpíada, a sangrenta Guerra dos Balcãs matou mais de 30 mil pessoas. E ela viveu a traumática experiência de perto, com bombardeios aéreos e ataques por terra.

Milena nasceu em Pristina, no Kosovo, em 1990. Um levante pela independência, bem perto de sua cidade-natal, em 98, iniciou a batalha que durou um ano e sacudiu todo o centro da Europa. Ela então foi levada para Obilic, onde morava parte da família, passando para o lado que atacava sua região. No ano seguinte, houve a fragmentação da Iugoslávia em várias repúblicas: Sérvia, Croácia, Eslovênia, Montenegro, Bósnia, Macedônia e, por último, o próprio Kosovo.

Na Rio-2016, a região-natal de Rasic estreou como nação independente, tendo faturado o ouro no judô com Majlinda Kelmendi. Um tabu para boa parte da delegação sérvia, incluindo os nascidos no Kosovo, região com 90% de albaneses.

- Eu nasci em Kosovo, mas não tenho mais nada a ver com Kosovo. Não tenho nenhum comentário para fazer - disse ao LANCE!.

Em quadra, Rasic tem feito bonito. Ontem, a China por 3 a 0, parciais de 25-19, 25-19 e 25-22. A Sérvia soma nove pontos e já está garantida nas quartas de final, brigando pela ponto do grupo com os EUA, que soma 11.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos