Após prata olímpica, Isaquias faz cobranças aos governantes do país

Sempre brincalhão, espontâneo e descontraído, o canoísta Isaquias Queiroz deixou esse seu jeito de lado por um instante logo após a conquista da medalha de prata na prova C1 1.000m, nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Revelado na canoagem velocidade por conta de um projeto social, o competidor lamentou o fim de alguns programas de incentivo aos jovens no esporte e fez uma cobrança aos governantes do país.

- Essa medalha tem muito significado para mim por isso. Foi um projeto desse que me revelou e consegui a medalha olímpica. Se puderem, tirem uma foto da medalha para mostrar para quem está no governo, no Planalto para que parem de brigar entre si e olhem para sociedade, para os atletas. O país é feito de atletas. O esporte pode mudar a vida de jovens. Mas para mudar, precisa ter incentivo de quem está no governo. Espero que meu resultado, não só o meu, como da Rafaela (Silva, no judô), de quem não é tão favorecido, mostre para o governo que pode confiar nos seus atletas - afirmou o atleta.

Em 2005, Isaquias ingressou no projeto Segundo Tempo, na Bahia, que promovia a iniciação de jovens em diversas modalidades, entre elas canoagem, futebol, futsal e atletismo.

O canoísta ainda fez uma análise sobre seus próximos passos nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Nesta quarta-feira, ele volta a competir, nas eliminatórias do C1 200m. Já na sexta-feira, ao lado de Erlon de Souza, o desafio vai ser no C2 1.000m.

- Vim com o objetivo de ganhar três medalhas, uma já ganhei. Estou treinando muito para o C1 200m, não posso errar. Também estou treinando bastante com o Erlon, então, temos chances - declarou o brasileiro.

Vale lembrar que no Mundial do ano passado, em Milão (ITA), Isaquias ficou com a terceira colocação no C1 200m e faturou o título com Erlon no C2 1.000m.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos