Montanha traz Brasil de volta à Olimpíada no martelo

Um jejum considerável no atletismo brasileiro será encerrado nesta quarta-feira, a partir das 9h40, no Estádio Olímpico do Engenhão, quando começar a prova qualificatória do lançamento do martelo. Depois de uma ausência de 84 anos, um atleta do Brasil estará participando. O pernambucano Wagner Domingos, o Montanha, será o primeiro a competir, igualando-se a Carmine di Giorgi, que competiu nos Jogos de Los Angeles-1932.

Quando iniciou a carreira no lançamento do martelo, ainda em Recife, Montanha utilizava métodos inusitados para fazer alguns treinos, como utilizar botijões de gás. Como vivia na periferia de Recife e estava a 40 minutos de ônibus do clube onde treinava, ele teve a ideia de usar um botijão de gás vazio, que pesa 17 kg, para simular os movimentos do lançamento.

Depois de passar por dramas pessoais, como o de superar um tumor maligno na bexiga em 2011, meses antes do Pan-Americano de Guadalajara, Wagner Domingos tornou-se um nome de referência no lançamento do martelo no Brasil. Já quebrou 16 vezes o recorde nacional da prova e em junho deste ano bateu o recorde sul-americano com a marca que lhe deu a vaga para a Rio-2016, 78m63, na Eslovênia.

Este resultado lhe deixou na condição de quarto melhor lançador de martelo na temporada, sendo superado somente por três competidores, um deles quase imbatível: o polonês Pawel Fajdek. Bicampeão mundial da prova, em Moscou-2013 e Pequim-2015, Fajdek é dono das 10 melhores marcas do ano nesta prova, sendo a melhor em junho, com 81m87.

Para a final do martelo na RIo-2016, avançarão os que alcançarem a marca mínima de 76m50 ou então os 12 melhores. Se repetir algo próximo do melhor resultado de sua vida, Montanha estará perto de um outro feito histórico no atletismo brasileiro.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos