Alison e Bruno fazem Brasil voltar ao topo no vôlei de praia após 12 anos

O Brasil está de volta ao topo do pódio olímpico no vôlei de praia, 12 anos após dois dos maiores nomes da modalidade, Ricardo e Emanuel, se tornarem heróis. Nesta sexta-feira, debaixo de muita chuva, Alison e Bruno Schmidt se tornaram campeões dos Jogos Rio-2016 ao vencerem os italianos Nicolai e Lupo por 2 sets a 0, parciais de 21-19 e 21-17, na Arena de Copacabana. Eles são apenas a segunda dupla do país a conseguir o feito. E a única parceria verde e amarela a subir no topo do pódio na capital fluminense.

O tempo não era problema. No primeiro lance da partida, um sinal de confiança. A dupla da casa pediu desafio para comprovar o toque do ataque de Alison no bloqueio de Nicolai. Em seguida, o susto. Os italianos abriram 5 a 1. Ignoravam todo o favoritismo que estava do outro lado da quadra.

Foi então que entrou em cena a categoria do "baixinho" Bruno Schmidt, que a cada torneio mantém a fama de ser o melhor do mundo, como a Federação Internacional (FIVB) reconheceu no ano passado. De ataques precisos a uma manchete de primeira, que matou a defesa adversária, ele construiu o caminho para a vitória. Ao seu lado, o Mamute, embora tenha se perdido no ataque, foi o ponto de desequilíbrio no bloqueio.

No segundo set, cenário parecido. Nicolai e Lupo não facilitavam, mas os donos da casa mantiveram a concentração. Alison seguiu firme na rede. Com paciência, Bruno buscou as bolas que eram necessárias para virar o placar, que até a metade da parcial era desfavorável aos donos da casa. No paredão do Mamute, a consagração estava definida.

Considerados algumas das maiores apostas do Brasil nos Jogos Rio-2016, os atletas precisaram colocar em prática uma verdadeira arrancada em busca da vaga na Rio-2016, alcançada com o título do Grand Slam de Olsztyn (POL), em agosto do ano passado.

Eles deixaram o posto de dupla número três do Brasil para se firmarem na liderança, à frente de Evandro/Pedro Solberg, eliminados nas oitavas da Olimpíada, e dos medalhões Ricardo e Emanuel, que não se classificaram. Tudo em apenas cinco meses.

Quando somar pontos na corrida olímpica começava a ser prioridade, Alison sofreu dois golpes duros. Em outubro de 2014, rompeu o tendão patelar do joelho direito. Ao voltar, em fevereiro de 2015, descobriu uma apendicite. Ficou três meses ausente, para a agonia de Bruno, que buscou outros parceiros na época para não perder o ritmo de jogo.

O retorno do Mamute, e consequentemente da dupla, aconteceu em maio, mas de forma sofrida. Em meio à pressão de conquistar a vaga nos Jogos, os dois ficaram fora do pódio nas primeiras quatro competições do Circuito Mundial disputadas. Mas o jogo ia virar.

A arrancada começou em julho, com cinco títulos. A dupla faturou o Campeonato Mundial da Holanda e quatro etapas do Circuito Mundial: Major Series de Gstaad (SUI), Grand Slam de Yokohama (JPN), Grand Slam de Long Beach (EUA) e Grand Slam de Olsztyn (POL).

Com isso, terminaram o ano como melhor dupla nacional, o que os garantiu na Rio-2016, de acordo com o critério utilizado pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). Dali para frente, foram treinos, treinos e mais treinos, rumo ao maior objetivo de suas carreiras. Nesta noite, ele foi alcançado.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos