Frustrado com troca, Ricardo Gomes cobra melhora ofensiva no São Paulo

Atacar tem sido um pesadelo para o São Paulo. Com saldo de gols zerado no Campeonato Brasileiro e apenas 22 tentos marcados, o Tricolor pouco incomoda seus adversários desde os tempos de Edgardo Bauza e essa deficiência já incomoda a Ricardo Gomes. O técnico sentiu os efeitos do baixo poder ofensivo em sua estreia, no empate em 1 a 1 com o Internacional.

- Nosso primeiro tempo foi melhor e mesmo assim demos o primeiro chute só aos 30 minutos. Estávamos bem defensivamente, mas o jogo não estava fluindo. Depois, jogamos por seis ou sete minutos no segundo tempo. Mas o Inter cresceu e tomou conta do jogo. Não tivemos nenhuma possibilidade de aumentar, não foi o que eu esperava - lamentou.

Se com jogadores mais ofensivos não era possível criar problemas para o Inter, Ricardo pensou em seguir outro caminho para vencer no Beira-Rio. Kelvin saiu para que Wesley entrasse pela meia direita, com a função de segurar mais a bola no ataque e aliviar a pressão dos colorados. O problema é que o volante entrou mal e os tricolores não saíram do sufoco até o empate e o pênalti perdido por Valdivia já aos 45 minutos da etapa final.

- Com o Kelvin estávamos mais expostos, mas a transição que pensava não aconteceu. E era essa minha proposta na alteração. No fim, perdemos a velocidade do Kelvin e não ganhamos posse de bola. O Inter queria vencer a qualquer custo e o jogo não foi bonito. Eles tinham essa premissa de ganhar na raça e quase conseguiram - admitiu

O São Paulo agora dá uma pausa no Campeonato Brasileiro para pensar na Copa do Brasil. Na quarta-feira, às 21h45, o Tricolor encara o Juventude no Morumbi para a primeira partida das oitavas de final. No Brasileirão, a equipe agora tem 27 pontos, mais perto da zona de rebaixamento do que do G4.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos