Com "espírito argentino", Jean chega ao Corinthians cheio de disposição

  • Divulgação/Paraná

Próximo de ser anunciado pelo Corinthians, o volante Jean conta com a experiência argentina para ganhar a Fiel. O jogador, de apenas 21 anos, atuou por 20 meses nas categorias de base do Estudiantes (ARG), em 2012. Depois disso, chegou ao Paraná e subiu ao time profissional em 2014, promovido pelo técnico Claudinei Oliveira.

"A gente teve um treino com o sub-20, e o Jean me chamou atenção pela disposição e vontade dele, que são acima da média. Ele fazia até umas faltas meio bruscas. Na minha segunda passagem pelo Paraná neste ano, ele foi muito bem. Evoluiu muito, aprendeu a esperar um pouco mais antes de chegar na dividida. Ele é jovem ainda, e vai ganhando maturidade", analisa Claudinei Oliveira, que acertou quarta-feira com o Avaí, ao LANCE!.

O próprio Jean afirmou em entrevistas recentes que o tempo no futebol argentino foi fundamental para a sua carreira. Com o espírito argentino, o volante sabe como fazer a torcida corintiana não sentir falta de Bruno Henrique.

"Cada bola é a última do jogo e cada jogo é uma final. Minha principal característica é a marcação, não tem bola perdida. Sou um cara que luta o tempo inteiro", diz Jean.

Apesar da disposição dentro de campo, Jean é considerado uma pessoa tranquila fora das quatro linhas. Pelo Paraná, ele teve seu melhor momento no primeiro semestre deste ano, quando foi eleito o melhor volante do Campeonato Paranaense. Já o único problema foi no ano passado, quando foi afastado pelo técnico Fernando Diniz por conta dos carrinhos nos treinos.

Jean já passou por exames médicos e deve ser anunciado como o novo reforço do Corinthians nesta quinta-feira.

COM A PALAVRA: DANIEL PIVA, REPÓRTER DO LANCE! EM CURITIBA:

"Jean surgiu em 2014 e, desde então, chamou a atenção pela marcação, pelo vigor físico no meio de campo. Em um determinado momento da formação, ele atuou no futebol argentino, e ele tem uma marcação muito forte. Ele não perde viagem: se não rouba bola, ele faz a falta. Por conta disso, ele acaba levando muitos cartões amarelos. Esse é um ponto que ele tem evoluído, para levar menos cartões. É possível dizer que o ponto fraco dele é esse: levar muitos cartões. Nos passes, ele não é um primor, mas também tem evoluído nisso.

Fora de campo, ele é um cara tranquilo. Porém, no ano passado, ele teve um problema com o técnico Fernando Diniz. O treinador pedia para o Jean não dar carrinho nos treinos, mas não foi atendido. O jogador acabou ficando um tempo afastado, mas depois os dois falaram que já estava tudo resolvido."

 

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos