Craque do goalball do Brasil fala das chances na Paralimpíada

O jogador Leomon Moreno da Silva, da Seleção Brasileira Masculina de Goalball, acredita que o Brasil tem chance de brigar pelo título na Paralimpíada do Rio, que começa no próximo dia 7. Em entrevista ao programa Diálogo Brasil, da TV Brasil, o atleta falou da importância da torcida brasileira e que aposta na adesão do público.

- O adversário sente o peso da torcida, fica mais desequilibrado. Ainda mais com a torcida do Brasil, que é bastante emotiva. Se estiver lotado, vai nos ajudar muito.

Leomon nasceu em Brasília, com retinose pigmentar (doença degenerativa com um histórico forte na família), a exemplo dos irmãos mais velhos. Ele conheceu o goalball aos 7 anos de idade. Leomon era "guia" dos irmãos e os levava para os treinos de goalball. Com a pouca visão que tinha, observava o esporte e resolveu experimentar aos 12 anos. Aos 14, começou a competir. Dois anos depois, passou a integrar a Seleção Masculina, com a qual foi prata na Paralimpíada de Londres-2012. Ele foi eleito o melhor atleta paralímpico de 2014.

- Eu levava meus irmãos aos treinos porque eu enxergava mais quando era mais novo. Tinha 7 anos de idade, mas já ia acompanhando porque minha mãe incentivava a nossa independência - contou.

Antes de optar pelo goalball, no entanto, Leomon Passou por modalidades como natação, futebol, atletismo e judô.

- Essa paixão veio de família, foi um meio de ficarmos unidos - disse o jogador, ainda na entrevista.

Leomon destacou a evolução do esporte paralímpico e sua profissionalização.

- O patrocínio ainda não é da forma como a gente quer, como é no futebol no Brasil, mas já teve uma evolução muito grande. Antigamente, a gente fazia o goalball por amor, por gostar do esporte. Mas, hoje em dia, minha vida financeira vem do esporte.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos