Em crise, São Paulo trava no Morumbi e mantém "gringodependência" no ataque

  • Érico Leonan / saopaulofc.net

Protestos, pedidos, cobranças e promessas... A noite da última quarta-feira foi terrível para o São Paulo. Após péssima atuação diante do Juventude, no Morumbi, pela Copa do Brasil, alguns jogadores tentaram buscar explicações e a torcida, no exercício de seu legítimo direito, protestou em frente ao estádio depois do apito final. Clima ruim e noite que terminou também com a manutenção da "gringodependência" tricolor. No revés por 2 a 1, quem marcou foi o argentino Andres Chavez. Tendência, já que os últimos 9 gols "falam" espanhol...

Um gol do argentino Jonathan Calleri (ainda na semifinal da Copa Libertadores, contra o Atlético Nacional, na Colômbia), quatro do peruano Cueva (todos no Campeonato Brasileiro) e mais quatro de Chavez (em seis jogos pelo clube) são os últimos nove gols marcados pelo São Paulo. A última vez que brasileiros balançaram as redes pelo Tricolor foi na 14ª rodada do Brasileirão, contra o América-MG, quando Alan Kardec, duas vezes, e Lyanco fizeram o placar de 3 a 0, no distante dia 10 de julho.

Na derrota desta quarta para o Juventude, Cueva e Chavez deram mostras dos motivos que levam à "gringodependência". O peruano, embora ineficaz, pediu - e pegou - a bola a todo momento, em busca de soluções para o meio-campo tricolor. No primeiro tempo, quando mais esteve em ação, não conseguiu achar espaço no setor ofensivo, mas, mesmo assim, manteve a avidez por ter a redonda nos pés e participar das jogadas. O baixinho chegou a discutir com Chavez para ver quem batia uma falta próxima à meia-lua. "Ganhou" a disputa e cobrou para fora.

O argentino Chavez, por sua vez, seguiu "faminto" por gols. Marcou seu quarto em seis partidas pelo São Paulo. Boa presença de área e oportunismo. Nesta quarta-feira, inconformado com o placar adverso, deixou a área e foi buscar a bola mais atrás e também pelos lados do campo em vários momentos da partida. Chegou a tentar até um cruzamento em busca do segundo gol. Para marcar o seu de cabeça, contou com preciso cruzamento de Carlinhos.

O "sentir a camisa" não parou por aí. Depois da derrota, o uruguaio Diego Lugano permaneceu sentado no banco de reservas do Morumbi ao lado do argentino Julio Buffarini. Os dois conversaram por ali por alguns minutos e só deixaram o gramado depois que todos os jogadores já haviam saído. Ao Sportv, o lateral recém-chegado afirmou que é preciso "ter caráter" para atravessar o momento conturbado.

Em três partidas pelo São Paulo, o que não faltou a Buffarini foi disposição e entrega dentro de campo. Entre erros e acertos, o camisa 18 mostrou que pode ser muito útil ao time nos próximos meses. Nesta quarta-feira, porém, foi barrado da equipe titular para a entrada de Bruno. No banco, mostrou enorme incômodo com o momento do clube.

Em 11º na tabela do Campeonato Brasileiro, o Tricolor Paulista somou apenas cinco dos últimos 15 pontos em disputa e não vence há dois jogos - três se computada a derrota desta quarta, pela Copa do Brasil. Contra o Juventude, a missão agora é fazer no mínimo dos gols para sonhar com uma vaga às quartas de final. Antes disso, a primeira missão é vencer - e convencer - diante do Coritiba, no domingo, no Morumbi, estádio onde não vence há quatro partidas.

 

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos