Paulo Nobre escolhe Galiotte como candidato e quer ajudar futura gestão

  • Cesar Grego/Ag. Palmeiras

    Paulo nobre e Cuca conversam com Maurício Galiotti

    Paulo nobre e Cuca conversam com Maurício Galiotti

O Palmeiras comemorou na noite de quinta-feira os seus 102 anos de existência em um jantar numa casa de shows próxima do Allianz Parque. A noite, como era de se esperar, já contou com o clima de eleição que acontecerá em novembro. Paulo Nobre não fez o anúncio, mas Maurício Galiotte é o candidato escolhido da situação.

O primeiro vice da atual diretoria foi selecionado após disputar com Genaro Marino, o segundo vice, a preferência de Nobre para comandar o clube no próximo biênio. Apoiado por Mustafá Contursi, figura ainda muito influente no conselho, Maurício deve contar com uma chapa semelhante à atual. Genaro, além de Antonino Jesse Ribeiro e Victor Fruges, os outros vices, estão cotados a continuar. Na última vaga, o diretor administrativo José Carlos Tomaselli é um dos favoritos.

Perguntado sobre a sucessão durante a festa, o atual presidente desconversou. Disse apenas que gostaria de se manter próximo da gestão que vem - ele pode concorrer à presidência do Conselho Deliberativo.

"Gostaria de fazer meu sucessor para dar continuidade a esta filosofia administrativa que implantamos nos últimos três nos e meio. Para mim, a próxima gestão talvez seja a mais importante. Tem muitas dúvidas sobre como será o Palmeiras após minha saída. Quem me conhece sabe que eu não dei dinheiro ao clube, hoje o Palmeiras anda com as próprias pernas e já pagou boa parte do que foi emprestado. Gostaria de ver a próxima gestão com muito sucesso para que o mundo do futebol não tivesse dúvida de que tudo que aconteceu de 2013 foi pela grandeza do Palmeiras, não porque alguém colocou dinheiro", explicou Nobre.

"Jamais trataria um assunto interno, que é o caso da sucessão, durante a festa. Eu quero muito ajudar ao próximo presidente. Mas de que forma ele é quem vai decidir", completou.

A confirmação de Maurício Galiotte como candidato deve ocorrer na primeira semana de setembro, mês em que serão feitas as inscrições das chapas no clube. No fim de outubro ocorrerá o filtro no Conselho Deliberativo (CD). Para chegar à assembleia de sócios, prevista para novembro, a chapa precisa da aprovação de pelo menos 15% do CD.

A partir de agora, a oposição intensificará as negociações para ter um candidato. Sabe-se, porém, que a chapa de Nobre, apoiada por Mustafá, terá ampla vantagem e até por isso cogita-se que não se lancem outros nomes no pleito. Carlos Degon, vice na chapa de Wlademir Pescarmona em 2014, é um possível adversário de Maurício na eleição.

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos