Comitê admite utilizar mais verba pública para fechar conta dos Jogos

O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio-2016 ainda terá de recorrer aos cofres públicos para fechar o seu orçamento sem déficit. A previsão da entidade é de que não será preciso estourar o crédito de R$ 150 milhões negociado com a prefeitura do Rio de Janeiro, mas há contas pendentes após a realização dos eventos. Até o momento, R$ 30 milhões já foram utilizados.

- Não imaginamos que precisaremos de mais do que discutimos. Em agosto, recebemos mais de 20 mil contas diferentes. A informação que temos é de que tudo o que precisaremos está aí, no total de R$ 150 milhões. Mas podemos utilizar mais do que os R$ 30 milhões - afirmou o Diretor de Comunicação do Comitê, Mario Andrada.

No domingo, o diretor-executivo da entidade, Sidney Levy, afirmou que apenas 1% do aporte financeiro de origem pública seria feito aos Jogos Paralímpicos. A estimativa é que o evento tenha consumido R$ 9,1 bilhões.

O prefeito Eduardo Paes chegou a falar, durante coletiva de balanço dos Jogos nesta segunda-feira, em um eventual "déficit".

- Não pode ter déficit. O Comitê vai fechar com orçamento equilibrado, como sempre foi falado. Há uma diferença entre déficit no período em que o Comitê está aberto, a que o prefeito se referiu, e no período em que ele estará fechado - afirmou Andrada.

O Comitê terá de entregar um relatório de despesas, em julho do ano que vem, durante sessão do Comitê Olímpico Internacional (COI), em Lima (PER).

Outros R$ 100 milhões puderam ser adquiridos por meio de patrocínios de estatais, após autorização do governo federal. A entidade não considera a fatia como dinheiro público, uma vez que as empresas tiveram a oportunidade de vender suas marcas nos Jogos e lucraram com o aporte ao evento.

Dentre as razões para o Comitê recorrer a verbas públicas às vésperas dos Jogos, estão passagens de atletas e transporte de cavalos.

- Se comparar qualquer subsídio governamental com a organização dos Jogos, é ínfimo. Nós pautamos os Jogos do Rio pela simplicidade - disse Paes.

O Comitê trabalha com um orçamento de R$ 7,4 bilhões em recursos privados. A maior parte do bolo é proveniente de patrocínios.

Órgão de legado tem fim anunciado

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, anunciou nesta segunda-feira o encerramento das atividades da Autoridade Pública Olímpica (APO) para o fim deste ano. Criado em 2011 para integrar as ações dos governos municipal, estadual e federal na preparação, o órgão teria duração até 2018.

- O legado dos Jogos será administrado pelo governo municipal, em primeiríssima instância, pelo governo estadual e pelo governo federal - disse o ministro.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos