'Rei de Copas', Copete desvenda ritual no Peixe e quer alegria no mata-mata

Uns rezam, outros ouvem música, enquanto alguns simplesmente ficam concentrados. Não há uma regra para um jogador se preparar para uma partida de futebol. A não ser para Copete. O atacante do Santos tem adotado uma espécie de ritual antes das partidas.

O colombiano surpreendeu muitos ao aparecer no gramado da Vila Belmiro e até fora de casa caminhando descalço pelo gramado, antes de todos subirem para o aquecimento.

A resposta para o mistério está na religião e na confiança de Copete.

- É uma palavra profética que me deram. Sempre saí ao campo descalço nos clubes por onde passei. É um versículo da bíblia, 11:24, que diz que toda terra vai ser nossa ao ser tocada. Assim como o campo. É uma profecia. Com tranquilidade, com paz de Deus e isso feito, me sinto tranquilo. Vou continuar fazendo. Tinha parado um pouco e agora estou retomando. É um costume - explica, ao LANCE!.

Com passos lentos antes de a bola rolar e mais rápidos durante os 90 minutos, o colombiano espera levar o Santos para a caminhada de seu segundo título da Copa do Brasil.

Acostumado a jogar competições decididas no mata-mata, como a Libertadores, da qual é o atual campeão, pelo Atlético Nacional da Colômbia, ele quer colocar sua experiência de Copa em prática na Vila Belmiro, nesta quarta-feira, às 19h30, contra o Internacional, pelas quartas de final da Copa do Brasil, em jogo de ida.

Autor de quatro gols na última edição da Libertadores e de um nesta Copa do Brasil, ele tenta passar sua vivência em jogos decisivos para ajudar o Peixe a eliminar o Internacional e quem mais estiver pelo caminho alvinegro na busca pelo título.

- Creio que estamos fazendo tudo certo. Mas temos que jogar com alegria, porque são sempre duas partidas de alta intensidade. Quanto menos erro, melhor para fazer uma boa partida. O importante é ter tranquilidade e não levar gol. Todos estamos comprometidos. Depois temos que marcar gols e seguir motivamos para o que queremos - completa o experiente atacante, de 28 anos.

Mesmo tendo chegado à Vila Belmiro nesta temporada, depois da perda do título da Copa do Brasil para o Palmeiras, e ainda falando "portunhol", Jonathan Copete já absorveu a pressão de levar o time de volta à Libertadores, campeonato com o qual se identifica. Mas antes disso, Santos e Copete precisarão, juntos, passar por diversas batalhas pelos gramados do Brasil.

É melhor estar preparado, quem sabe com uma carta na manga?

Confira abaixo um bate-bola exclusivo com Copete:

Você chegou ao Santos nesta temporada, mas já deu para sentir a pressão de fazer o Santos voltar a disputar a Libertadores?

Já percebi. No ambiente também. Sei o que representa a Libertadores e estar em um torneio internacional. Só vamos conseguir focados, como estamos. É uma meta que temos, estar na Libertadores. Estamos em um bom caminho e esperamos manter para dar essa satisfação à torcida.

Sua chegada no Santos foi enquanto o Atlético Nacional disputava a Libertadores. Acha que você contagiou o elenco com o espírito da competição?

Estamos todos juntos no objetivo de nos classificar. Os jogadores daqui são muitos conscientes e pensam em dar o melhor ao clube. É um ambiente positivo, esperamos ter ainda mais essa energia positiva.

Vê no Santos um time que sabe jogar o mata-mata?

Sabemos que é um torneio diferente. São muertes (finais). Não se pode deixar nada fora, tem que ter força.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos