Jogadores repercutem confusão e presidente da federação pede arenas da Rio-2016

O Flamengo perdeu para o Vasco por 82 a 77, nesta segunda-feira, no Tijuca Tênis Clube. O que marcou a partida não foi o equilíbrio, mas sim a confusão entre torcedores do Fla que causou uma tensão no ginásio durante quase todo jogo.

Após o confronto, o presidente da Federação Carioca de Basquete, Álvaro Lionides, não deu certeza sobre a punição ao Flamengo, mas o mais provável é que aconteça. Ele ainda manifestou o desejo de contar com as arenas usadas na Olimpíada para os próximos jogos.

- Isso é muito triste para a nossa modalidade, pois é muito difícil fazer o campeonato. É um sacrifício para os clubes manterem suas equipes e, infelizmente, não temos os locais apropriados em uma cidade olímpica. É muito triste, mas nada disso pode tirar o brilho dos atletas dentro da quadra. Vamos torcer para conseguir uma arena para dar prosseguimento à competição.

Nezinho, do Vasco, e José Neto, técnico do Fla, também falaram sobre a confusão, mas preferiram focar no que aconteceu dentro da quadra durante os 40 minutos.

- É uma situação ruim, não gostamos de viver. Acho que o esporte tem que ficar dentro da quadra e a torcida fazer a festa fora dela. Mas o importante é que nossa equipe tirou uma diferença de quase 20 pontos, se manteve no jogo. Nos minutos finais tomamos o controle psicológico da partida. Haviam familiares nossos e dos jogadores do Flamengo aqui, então ficamos preocupados - disse Nezinho.

- Sempre vou atribuir coisas boas à torcida do Flamengo, que nos dá coisas boas. Seria covardia dizer que por causa disso perdemos o jogo. Precisamos assumir as responsabilidades. Não tivemos a capacidade de ganhar e acabamos não aproveitando a vantagem. Agora é pensar na próxima partida, nosso time é culpado disso. Nosso objetivo não mudou, vamos continuar brigando pelo título - afirmou José Neto.

Após quase seis meses se recuperando de lesão, Ricardo Fischer voltou ao Flamengo e acabou como um dos cestinhas da partida, com 14 pontos. No entanto, ele perdeu a última bola, que poderia dar ao Rubro-Negro a vitória.

- É triste porque é nossa torcida brigando com ela mesma. Estávamos preocupados com nossos familiares que estavam perto, mas ficamos focados no jogo. O time já estava caindo de produção antes da confusão. Isso não pode acontecer, não podemos deixar qualquer time voltar do jeito que o Vasco fez - avaliou Fischer.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos