Hey Joe! Joelinton ri ao falar de apelido, detalha boa fase na Áustria e frisa desejo de voltar ao Sport

Em junho de 2015, Joelinton saiu do Brasil para se tornar "Joe" na Europa. Aos 20 anos, o atacante revelado pelo Sport vive uma fase animadora no Rapid Viena, da Áustria, após uma passagem apagada pelo Hoffenheim.

- É difícil demais para eles (austríacos) falarem Joelinton, né? Sempre se embolam... Acabam me chamando de Joe aqui. Está valendo (risos) - disse ao LANCE!, logo no início da conversa com a nossa reportagem, via telefone.

Emprestado pelo time alemão por duas temporadas, Joelinton tem se soltado em seu novo clube, onde marcou quatro gols em 17 partidas na atual temporada. Titular, o jovem se disse surpreso com a rápida adaptação na equipe austríaca.

- Comecei a jogar, fazendo gols e fui muito bem recebido por todos. O início está sendo bem melhor do que o esperado por mim. Estou muito feliz por estar dando tudo certo - falou Joelinton, revelando sua maior dificuldade no país:

- O mais difícil é a língua, tem sido bem complicado. Não tenho intérprete, só tinha na Alemanha. Intensifiquei o aprendizado da língua alemã, aqui. Faço duas vezes por semana - frisou ele, que chegou ao Sport como meia, nas divisões de base.

DESAFIO PELO VELHO CONTINENTE

Nesta quinta-feira, "Joe" está incumbido de fazer com que o Rapid suba mais um degrau na Liga Europa. O time recebe o Sassuolo, da Itália, pelo Grupo F, em que todos os times estão com três pontos - as outras equipes são Genk e Athletic Bilbao. Para o brasuca, é possível, sim, sonhar.

- Estou muito feliz em jogar a segunda mais competição de clubes da Europa, já fiz um gol (na estreia, contra o Genk). Procurando aproveitar estes jogos para aumentar a visibilidade e mostrar meu futebol. Acredito que possamos chegar longe - salientou Joelinton, que já passou pela Seleção sub-20.

LÁ E CÁ: CONFIRA MAIS TRECHOS DA CONVERSA COM JOELINTON

Você teve a oportunidade de conversar com Roberto Firmino, que também defendeu as cores do Hoffenheim?

Falei pouco com ele, quando eu cheguei no clube, ele já estava de saída. Mas pude perceber que o Firmino é uma ótima pessoa, que confiou nele e hoje chegou onde está, na Seleção e num grande clube (Liverpool). É nordestino como eu, se empenhou e serve de motivação para mim, sem dúvida.

E o que deu errado na Alemanha, onde você foi apagado?

Infelizmente, não tive oportunidades. Achava que tinha condições de poder ajudar mais, estava treinando e me sentia bem. Não tive nenhuma chance, fiquei um ano sem jogar. Foi muito ruim para mim, porém aprendi muito lá em relação a parte tática e também tem a questão dos treinos mais intensos.

Sua família tem sido importante para você na Europa?

Meus pais estão aqui agora, vieram para cá há pouco tempo. Tem sido muito legal. Consegui comprar uma casa para minha mãe em Aliança, nossa cidade. Meu filho vai nascer agora no início de 2017 e estou muito feliz. Eles me ajudam bastante na adaptação.

E em relação ao Sport, onde você rapidamente recebeu muito carinho da torcida: sente saudades?

A torcida do Sport sempre pede a minha volta, principalmente nas redes sociais. Eu tenho o desejo de voltar ao Leão um dia. É o meu time de coração. Acompanho sempre daqui e estou na torcida para o time não cair. Cheguei ao Sport com 14 anos, vim de uma peneira da minha cidade... Tenho muita história boa por lá.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos