Reage, Chape! Saiba como clubes e seleções tentaram se reerguer após tragédias

O abatimento em torno da queda do avião que levava a delegação da Chapecoense não é a primeira tragédia que deixa o esporte de luto. Clubes e seleções tiveram de lidar com períodos de reestrutura.

O LANCE! traz algumas lembranças dos passos de quem viveu o dia seguinte a desastres.

1949 - TORINO

O desastre no qual o avião que transportava a delegação do Torino se chocou com uma torre da igreja, matando 31 pessoas (dentre elas, 18 jogadores), trouxe grave sequelas à Itália. Por mais que os juvenis da equipe ajudassem a equipe a conquistar o título italiano (porque os demais clubes tiveram a mesma atitude), a equipe nunca mais foi a mesma. De base da seleção da Itália, que viajou de navio para a Copa de 1950 devido ao trauma, a equipe passou a viver de lampejos, e seu mais recente título no Calcio veio na temporada de 1975-76.

1958 - MANCHESTER UNITED

A tempestade que derrubou o avião do United em Munique, matando oito jogadores, obrigou o clube a montar às pressas uma equipe para a reta final da temporada. Contando com sobrevivente como Bobby Charlton, Dennis Viollet, Bill Foulkes e Harry Gregg, a equipe vai muito bem na Premier League, e termina vice-campeã. Nas próximas temporadas, porém, os Red Devils sentiram o baque: amargaram um jejum e um breve afastamento de torcedores, que se dissipou a partir de 1963/1964, com a consagração do trio Charlton, Law e Best. Na temporada seguinte, veio o título inglês e, nos últimos anos, uma das maiores equipes do mundo.

1961 - GREEN CROSS (CHI)

Após o avião que levava o clube chileno se chocar com a Cordilheira dos Andes, causando a morte de 24 pessoas (oito delas, jogadores) e comovendo o mundo, o Green Cross teve uma série de baques. No mesmo ano do acidente, o presidente em exercício, Fernando Jaramillo Phillips, que era sub-tesoureiro do Banco Central do Chile, foi um dos presos em uma investigação por acusação de desvio financeiro. Dentro de campo, o clube ainda passou por descenso, e, por ter pouca afinidade com a cidade, decidiu se transferir para Temuco, onde fez uma fusão com o Deportes Temuco. Hoje, é o Club de Deportes Temuco.

1969 - THE STRONGEST

A tragédia se abateu no The Strongest quando, na volta da delegação de Santa Cruz de La Sierra para La Paz, o avião desapareceu em Viloco, matando 74 pessoas a bordo (dentre eles, todos os jogadores). Após decidir sair do campeonato local, o clube viu uma mobilização de ex-presidentes e de clubes que realizaram amistosos e cederam jogadores. Além de voltar a vencer o extinto Campeonato de La Paz em 1970, 1971 e 1974, faturou o Campeonato Boliviano de 1977.

1970 - DINAMARCA

O acidente que vitimou oito jogadores da seleção da Dinamarca, em 1970, aconteceu no ano anterior a uma mudança completa no país. A partir de 1971, o amadorismo passou a ser abolido em definitivo do futebol local, e trouxe reflexos na ascensão da seleção.

1987 - ALIANZA LIMA

O desastre que abalou o Alianza Lima, após todos os jogadores e a comissão técnica morrerem quando o avião caiu no mar, fez o clube peruano demorar a se firmar. Em 1987, atletas da base, ídolos aposentados, como Cubillas e Coeto, e jogadores cedidos pelo Colo-Colo reforçaram a equipe, que perdeu o título nacional. O ressurgimento veio aos poucos, e o clube só se firmou novamente a partir da década de 1990.

1993 - ZÂMBIA

O desastre que vitimou a seleção de Zâmbia em 1993, matando 25 passageiros (dentre eles, 18 jogadores), trouxe sequelas. Vistos como possível "sensação" da Copa de 1994, os zambianos sequer se classificaram para o Mundial. Voltou a ser campeã em 1997, quando iniciou o bicampeonato da Copa Cosafa (apenas com seleções da África Austral), e obteve em 2012 seu primeiro título da Copa Sul-Africana de Nações.

2009 - BRASIL DE PELOTAS

A primeira tragédia brasileira veio com a camisa xavante. O ônibus no qual viajava a delegação caiu em um barranco, resultando em três vítimas (uma delas, o ídolo Claudio Milar). Ocorrido a uma semana do início do Estadual, o acidente trouxe sequelas ao Brasil de Pelotas: ainda em 2009, caiu para a Divisão de Acesso do Gauchão e, dois anos depois, foi para a Série D. Só que a reconstrução veio em grande estilo: volta à elite gaúcha em 2013, acesso à Série C em 2014 e, no ano seguinte, carimba passaporte para Série B do Brasileirão.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos