Da 'favela' ao mundo: Capoeirista conta história de superação e busca ser o mais completo do mundo

De dread, camisa regata e bastante atencioso, um capoeirista começava a se destacar durante oficina de ritmo de Mestre Nenel, um dos maiores expoentes da capoeira do Brasil, na última terça-feira, em meio a uma rua na região do Pelourinho (BA). Aos poucos, exibiu o seu vasto repertório. O rapaz, em questão, era Chipa, primeiro finalista do Red Bull Paranauê, torneio que busca revelar o mais completo capoeirista do mundo, que estava treinando para a competição.

Nascido em Salvador, Chipa teve uma infância difícil. Ele precisava pedir merenda, de porta em porta, para poder se manter. Em uma oportunidade, a esperança bateu-lhe a porta. Ou mais precisamente, ele bateu na porta da esperança.

- Quando criança, eu morava na favela de Calabar, em Salvador. Junto com meus amigos, eu pedia merenda nos apartamentos, porque minha casa, financeiramente falando, não era boa. Minha mãe trabalhava, mas o dinheiro não era suficiente. Foi assim que acabei conhecendo o Mestre Sabiá, ele morava na minha rua e fui até o apartamento dele pedir comida. Ele sempre dava comida, cesta básica e ajudava os meninos da comunidade. Naquela época, quando eu tinha seis anos de idade, ele abriu um projeto de capoeira, que começou na garagem do prédio, comigo, meu irmão e mais umas quatro pessoas - conta o capoeirista.

A partir de então, Chipa desenvolveu gosto pelo esporte e não o largou mais. Por conta da arte, conheceu diversos países, como República Tcheca, França e Espanha. Em Barcelona, ele disputou e venceu o VMV. Com o resultado, garantiu uma das 16 vagas para o Red Bull Paranauê.

- Quero ver todos os mestres presentes. Vai ser muito bom reunir todos para fazer essa grande festa. Temos que mostrar o que temos de melhor na nossa cultura. Já chamei minha família, alguns alunos, meus amigos.

Aos 30 anos, o baiano mora na Califórnia (EUA) e é casado com uma estadunidense. Lá, ele dissemina a arte brasileira para crianças e adultos. Com isso, ele consegue ajudar a mãe e os familiares no Brasil.

Chipa conta que, em alguns locais fora do Brasil, há bastante resistência de grupos para a entrada de jovens na capoeira. Contudo, aos poucos, estigmas caem e valores da arte são mais difundidos. Agora, acentua ainda mais os seus treinamentos, que ocorrem praticamente todos os dias da semana, para conseguir êxito na competição.

O Paranauê acontecerá neste sábado, no Farol da Barra, em Salvador. Dois dias antes, nesta quinta-feira, o Pelourinho recebe as seletivas da Bahia e do mundo para determinar os demais participantes que buscam ser o mais completo capoeirista do mundo. Os ingressos são gratuitos.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos