Paulo Cleto comenta sobre clássico Fedal: 'Este jogo acontecer numa final de Grand Slam foi uma benção'

As finais do primeiro Grang Slam de 2017, o Australian Open, serão eternizadas nas mentes dos amantes do tênis. Após quase uma década, quatro grandes nomes do tênis mostraram que não vivem apenas de passados gloriosos, mas sim que estão, mais do que nunca, vivos para esta temporada.

Para o treinador dos times olímpicos de Seul-1988, Barcelona-1992 e Atlanta-1996, Paulo Cleto, a grande surpresa do público ao ver as irmãs Willians, Roger Federer e Rafael Nadal de volta a uma grande final está relacionada a idade dos atletas que já eram vistos como próximos do final da breve vida no alto rendimento.

- O que chamou mais a atenção em ambas as finais é que o tênis hoje, de certa maneira, é liderado por tenistas que, há uma década atrás, seriam vistos como, teoricamente, aposentados.

O escritor do livro 'Gustavo Kuerten e Roland Garros - Uma história de amor' também comentou que o Circuito está ficando mais velho, devido a uma melhor preparação dos tenistas, aliada a uma série de facilidades de locomoção e contato com os familiares. Porém, Cleto vê isso como algo positivo, mais uma grandes das grandes estrelas mostrarem seu talento.

- O Circuito está, de fato, mais velho e é uma curiosidade. A vida esportiva está durando mais tempo e eu acho que isso agrega em termos de espetáculo porque são artistas que estão tendo a oportunidade de ficar mais tempo desenvolvendo aquilo que ele sabe fazer e, como eles duram mais tempo, facilita manter a cultura e a tradição do tênis, porque eles conseguem mostrar para os novos como que é.

Sobre os confrontos, o comentarista afirma que a grande surpresa foi a chegada de Venus à final feminina.

- Foi uma surpresa ela chegar à final. Isso foi a maior surpresa, maior do que a presença do Federer e do Nadal. Ela é uma tenista que teve que teve muitos problemas de saúde, que precisou parar e deve ter pensado mais de uma vez se iria continuar jogando. A irmã dela sempre foi uma tenista bem mais qualificada, bem mais talentosa e a própria Venus dizia isso.

Paulo também acredita que a vitória recolocará o nome de Serena na história da modalidade.

- Eu acho que a Serena está recolocando o nome dela na história. talvez a tenista mais de maior comando que apareceu no tênis feminino, nunca nós tivemos uma tenista com a personalidade dela, com os resultados dela, com uma mistura de agressividade e raízes culturais e que conseguiu transformar isso num tênis vencedor. Outras fazem isso, mas ela faz com maior qualidade.

Sobre o clássico que deu a Federer um título de Grand Slam após seis anos, Cleto ressalta a história do confronto em que todos conhecem os protagonistas.

- Os meninos são a maior rivalidade que o tênis já teve em sua história e eu acho que é sempre muito importante para qualquer esporte já que a rivalidade fortalece em qualquer modalidade. Todo mundo sabe quem são Nadal e Federer e os dois tem estilos e personalidades tão conflitantes e, ao mesmo tempo, tanto respeito um pelo outro, que destacou o tênis de uma maneira muito positiva. Acho que esta possibilidade que caiu no colo de todos, inclusive no deles. Este jogo acontecer mais uma vez no palco de uma final de Grand Slam foi uma benção para todo mundo e isso foi mais interessante do que ou um ou outro ter ganho.

Por fim, Paulo Cleto acredita que estas improváveis, mas históricas finais fortalecerão os dois 'senhores' do tênis para a próxima temporada

- Eles vieram para o Australian Open esperando, na melhor das hipóteses, chegar ás quartas de final, já que ambos vinham de contusões e de um longo tempo longe dos torneios. Agora, 'descobrindo' que eles tem as ferramentas necessárias para jogar no padrão que eles jogaram nessa duas semanas, com certeza vai fazer com que reavaliem qualquer pensamento negativo sobre a carreira deles, pelo menos para 2017.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos