Agente prevê fim da negociação de Borja com o Verdão nesta semana

O desfecho da negociação entre Palmeiras e Atlético Nacional (COL) pelo centroavante Miguel Borja está próximo. Quem garante é Ignacio Martán, representante do jogador e presidente do Cortuluá (COL), clube que ainda detém parte de seus direitos econômicos. De acordo com Martán, o goleador está encantado com a torcida do Verdão e disposto a jogar no Brasil.

- Miguel Borja está muito contente com a torcida do Palmeiras, com a possibilidade de ir ao Palmeiras. A torcida está feliz com essa possibilidade e isso o agrada. O senhor Mattos e o senhor Juan Carlos de la Cuesta, presidente do Nacional, estão dialogando para concluir esse tema. Creio que teremos uma definição rapidamente. Há uma proposta da China, vamos esperar que chegue, mas no fim o jogador vai escolher o lugar onde se sinta feliz. Não importa o dinheiro se ele estiver com alegria de jogar futebol - disse o representante, à Rádio Bandeirantes, antes de prever uma data para o desfecho das conversas:

- Espero que até o fim de semana (se resolva).

O Palmeiras iniciou os contatos com o Atlético Nacional em novembro. Na época, o valor solicitado pelos colombianos estava próximo dos 15 milhões de euros (mais de R$ 50 milhões). Alexandre Mattos, diretor de futebol do Verdão, chegou a se exaltar para dizer publicamente que não seria possível fazer a contratação. O clube brasileiro, porém, nunca saiu da briga.

Com a janela de transferências para a Europa fechada e com o atleta inclinado a recusar a China para jogar no Palmeiras, Mattos tenta vencer o Atlético Nacional (COL) pelo cansaço. Mostra aos dirigentes colombianos que eles podem ficar sem uma alta quantia em dinheiro, além de seguir com um atleta que gostaria de ter saído. O Palmeiras não fala abertamente da negociação, mas já há otimismo internamente.

- Para o Nacional e para o Cortuluá as cifras da China são muito mais importantes, mas o que decide é a felicidade do jogador - acrescentou Martán.

Em entrevista à emissora TeleMedellín, da Colômbia, o gerente esportivo da equipe colombiana, Victor Marulanda, disse que a última proposta do Palmeiras não atende às exigências do Nacional e que espera agora uma contraproposta. Os veículos colombianos informam que o desacordo está no percentual dos direitos que o Verdão vai adquirir: os brasileiros querem 70% por 11 milhões de dólares (R$ 34 milhões), enquanto os colombianos topam vender 50% por esse valor.

Se a negociação for concretizada, Borja não poderá ser inscrito na primeira fase do Paulistão, uma vez que o clube já enviou 27 nomes à Federação Paulista e o último será o de Alejandro Guerra. Já a lista de inscritos para a fase de grupos da Libertadores tem de ser enviada à Conmebol até 48 horas antes da estreia, que no caso do Palmeiras é no dia 8 de março.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos