Ceni exalta Luiz Araújo, e espera Morumbi cheio após vencer San-São

Rogério Ceni estava orgulhoso na entrevista coletiva após a vitória por 3 a 1 sobre o Santos na Vila Belmiro. A razão: a grande atuação do garoto Luiz Araújo, de 20 anos. Ceni sempre apostou no potencial do atacante, autor de dois gols no triunfo, e exaltou a capacidade de crescimento dele.

- Para mim, fico muito feliz pelo resultado em si. Fico muito feliz por ele, porque sempre falo que ele tem muita velocidade, explosão e às vezes ele peca na última decisão. E hoje ele decidiu o jogo com dois gols, mais um passe para o Gilberto. A tomada de decisão para um jogador da posição dele mostra o valor que ele tem - afirmou Ceni, afastando de si o mérito pela vitória, mesmo tendo alterado o time de maneira fundamental no intervalo.

A alegria de Ceni tem uma razão especial. Ele foi determinante para a permanência de Luiz Araújo no elenco. O São Paulo recebeu uma oferta de cerca de R$ 22 milhões do Lille (FRA), mas recusou após pedido do treinador. E agora o comandante quer vida longa ao atacante no clube.

- Quando falaram da venda dele, já acompanho, vejo muito potencial nele. Velocista nato, tem de tomar melhores decisões. E hoje conseguiu ir muito bem. Mas não penso nele na venda, penso nele para o São Paulo. Quem sabe com as vitórias, conquistas, a gente não consegue outras receitas para ficar com jogadores mais tempo - analisou.

Ceni também ficou muito satisfeito com o resultado. O treinador destacou a postura aguerrida do seu time, que novamente começou atrás no placar, e disse que a vitória deve impulsionar a torcida a lotar novamente o Morumbi no próximo sábado, contra o Mirassol. No último domimgo, mais de 50 mil pessoas acompanharam a goleada de 5 a 2 sobre a Ponte Preta. Neste momento, Ceni já respondeu rouco.

- A voz é difícil porque grito muito no treino. E não consigo melhorar, nem com fono. Eu gostaria de ver novamente o Morumbi com 50, 60 mil pessoas. Quando você passa de ônibus, sobe e encontra 60 mil, é um jogador a mais. E eu falava isso pra eles, que a vitória significaria o Morumbi cheio de novo, com ingressos acessíveis, com a torcida do nosso lado - afirmou o técnico.

O São Paulo se reapresenta nesta quinta-feira às 17h e volta a campo no sábado, às 19h30, na provável estreia do argentino Lucas Pratto, fator que deve levar ainda mais torcedores ao estádio.

Acompanhe abaixo outros trechos da entrevista de Ceni:

O jogo

Jogo bem disputado, bem parelho, primeiro tempo principalmente. No segundo, tentamos mais velocidade com o Araújo, o Neilton estava sofrendo para acompanhar o lado direito do Santos. Tentamos jogar o Cueva aberto, o Araújo para o outro. Baixamos um pouco a marcação, para tentar o contra-ataque, devido aos jogadores de mais velocidade

Cartão para Cueva

Honestamente não vi, não sei ainda o que aconteceu com o cartão. Gostaria de ver com mais calma. Natural, talvez um desabafo do jogador, mas a gente tem de manter a cabeça calma no campo, não deixar que o torcedor ou algo mude sua cabeça em campo. Mas preciso ver mais em campo. E ele joga numa parte onde ele fica mais confortável, não tem uma posição fixa para ele. E assim gosto mais dele mais livre

Buffarini

Me ajuda muito na esquerda. É uma alma e coração gigantesco. Um argentino que você pode contar por todas as horas. Buffarini vai ter de jogar ora na direita ora na esquerda, porque não consigo o Júnior toda hora. E é um dos jogadores mais preparados fisicamente de todo o time. Mesmo não tendo tanta habilidade. Não que o Júnior esteja mal, mas o Buffarini pode atuar por ali, posso usar os três.

Por que não olhou o pênalti de Cueva?

Eu vi pelo telão. Olhei pra lá. Vi que estava em tempo real, vi como estava da televisão. Tenho confiança nele. Não é porque perdeu um pênalti que... Ele pegou a bola. Fosse assim, eu não teria feito mais de 60 gols perdendo.

Foi a melhor partida?

Acho que não. Melhor partida foi contra a Ponte Preta. Mais de 70% de posse de bola, 5 a 2 no placar. E saindo atrás. Gosto porque eles não tem medo, vão com coragem.

Tática

Para esse jogo, usamos mais o contra-ataque do que a Ponte Preta em casa. Domingo jogamos alto, pressão. É diferente do que jogar na Vila Belmiro, contra um grande time. Tento ajustar a equipe, mas muitas vezes eles escaparam com Zeca e Victor Ferraz pelo meio, o que os torna muito perigosos. No primeiro tempo não consegui só no grito, falando, mas no vestiário corrigimos. Fico muito feliz porque são coisas que treinamos.

João Schmidt e Jucilei

João, ao que parece, vai sair. Não está no meu controle. Mas está mostrando um comprometimento como se quisesse jogar aqui para sempre. E o Jucilei, sim, pode jogar de terceiro zagueiro, primeiro volante, também segundo volante, desde que tenha condições como toda a equipe.

Sensação de sair da Vila

A gente vai poder fazer uma média no futuro, acredito que infelizmente será negativa, pelo histórico do santos jogando aqui. Mas mostra que nossa equipe luta, compete até o final. Isso é bom, a vitória é muito importante para a gente.

Jogar no ataque de novo?

A proposta que eu sempre tive na minha cabeça, é de jogar para ganhar. Você corre risco, sofre, mas jogando pra frente. Jogar para trás, aí abro mão da profissão. Porque gosto de desafios, já fiquei muito tempo atrás.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos