Rodrigo Pimpão: o herói - quase sempre - improvável do Botafogo

  • Satiro Sodré/SSPress/Botafogo

A primeira passagem de Rodrigo Pimpão pelo Botafogo foi boa, mas ninguém lembra com tanto gosto de um ano de Série B. Agora, o atacante vem fazendo deste mês de fevereiro o ponto de afirmação após um 2016 irregular. Mesmo assim, desde que voltou ao Glorioso, ele se especializou em fazer gols decisivos. E quase nunca foi prioridade.

Ao retornar, na metade da temporada passada, havia forte expectativa, mas o aspecto físico de quem passou um ano nos Emirados Árabes Unidos pesou. Enquanto isso, Neilton se afirmou no time titular e assim foi até o final do ano. Mesmo assim, foram gols de Pimpão que garantiram triunfos sobre o Vitória e sobre o Santa Cruz.

Ainda assim, ninguém esperava que, para a disputa da Taça Libertadores, ele fosse titular. A busca da diretoria era explícita por dois atacantes que jogassem pelos lados do campo. Mas ele ficou. E continua sendo decisivo. Contra o Colo-Colo, participou de um gol, no Rio, e marcou o outro, em Santiago (CHI). Contra o Olimpia, guardou mais um. E pensar que ele poderia nem ter chegado.

A diretoria lamentou a saída do atleta, em meados de 2015, e celebrou o retorno dele, um ano depois, mas foi Rodrigo Pimpão quem optou pelo Glorioso desta vez. Quando o vínculo com o Emirates Club (EAU) estava para vencer, ele tomou uma atitude inusitada: procurou o seu empresário, Márcio Bittencourt, e e perguntou se "seria possível o retorno ao Botafogo". Foi.

"Quando eu vim para cá em 2015, o planejamento do Antonio Lopes (gerente de futebol) e do René Simões (então treinador) me chamou atenção. E, hoje, o meu filho é botafoguense, canta as músicas. O Botafogo tem um lugar especial não só no meu coração quanto no da minha família", revela o jogador.

DESTAQUE FÍSICO

A disciplina tática e a entrega de Rodrigo Pimpão já eram elogiadas em 2016. Porém, neste 2017 em que o Botafogo vem sofrendo tanto com lesões e resistência física, o atacante vem mantendo bom rendimento desde o amistoso de pré-temporada, contra o Rio Branco.

"Esse ano eu fiz a preparação completa. Ano passado, eu fui pegando ritmo no decorrer do tempo", explicou, antes de explicar o período de alimentação e treinamentos que faz em casa, além do orientado no clube.

"Tenho, em casa, aparelhos que o clube tem também para a recuperação muscular. Investi para mim. A alimentação também tem um trabalho nutricional em casa. Eu estava numa dieta para atingir meu peso ideal e não queria tomar muito suplemento. E isso ajudou muito no resultado em campo", garante Pimpão.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos