Moisés e Guerra passam em 1º teste, mas Baptista ainda espera evolução

  • Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

Moisés e Guerra jogaram juntos pela primeira vez no jogo contra o São Bernardo, quinta-feira. O time não andou enquanto a dupla esteve em campo, e Eduardo Baptista reconhece que eles ainda precisam evoluir, mas o saldo do primeiro teste da "dupla ideal" de armadores foi considerado positivo no Palmeiras.

Moisés, mesmo sem ritmo de jogo, já que operou o pé esquerdo para retirar os pinos que carregava desde o início do ano passado e fez um trabalho físico individual na pré-temporada, foi elogiado internamente por sua entrega. Ele apareceu várias vezes no campo de defesa para desarmar os adversários. Eduardo Baptista considera que a postura do camisa 10 contagia os outros jogadores. Na frente, deu seus já conhecidos passes inteligentes, um deles clareando a jogada para o primeiro gol de Dudu.

"O Moisés foi muito importante. A gente optou, nesse início, por fazer um trabalho físico com ele. Lógico que ele não está no ideal. Até passou as nossas expectativas, porque calculávamos trocar no intervalo ou com dez minutos do segundo tempo, mas ele ainda precisa e vai evoluir, física e tecnicamente. É mais um jogador que a gente ganha, tem alguns que estão ganhando forma e peso", declarou o treinador.

Quando o primeiro gol do triunfo por 2 a 0 saiu, Guerra já não estava em campo. Depois de jogar 90 minutos contra o Ituano, em sua estreia, ele sentiu o desgaste e foi substituído por Raphael Veiga aos 13 minutos da etapa final contra o Bernô. O time abusou dos chutões no período em que o venezuelano esteve em campo, o que fez com que a bola chegasse menos até ele.

"Em Itu o Guerra fez uma grande partida. Fisicamente ainda precisa de ritmo. Contra o São Bernardo, iniciou bem, teve altos e baixos, mas é um jogador importante, que tem de treinar, tem de jogar. Fez jogadas de efeito no jogo passado, nesse tentou algumas jogadas. Muito por estarmos alongando a bola, ela não passou tanto por ele. Com o tempo ele vai evoluindo, mas é importante e tem agradado muito a gente. A gente sabe da dificuldade de adaptação dos estrangeiros, mas ele está se adaptando muito rapidamente", disse o comandante.

Apesar de reconhecer que a má jornada do time atrapalhou o camisa 18, Eduardo acredita que a movimentação dele também contribuiu para a saída de bola ser defeituosa. O técnico espera que os dois meias centrais na linha de quatro armadores se apresentem para buscar a bola quando o time está iniciando a jogada, algo que faltou na quinta-feira.

Eduardo gostou do desempenho da equipe após a entrada de Raphael Veiga, que voltava para receber a bola no espaço deixado por Felipe Melo, que avançava e levava o marcador junto. O comandante chegou a dizer que a atuação do segundo tempo vai servir de espelho para as próximas partidas.

Não está confirmado se a dupla será mantida neste domingo, contra o Linense. Pelo curto intervalo entre os jogos e por ter um Dérbi na quarta-feira, em Itaquera, é possível que a comissão técnica deixe fora alguns dos atletas que estão mais desgastados.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos