'Estou triste. Foi a primeira vez que aconteceu algo assim na minha carreira'

Na última segunda-feira, o atacante Walter se pronunciou pela primeira vez desde a agressão sobre o goleiro Matheus durante um treino. O jogador de 27 anos deu uma cotovelada no defensor, que ficou internado em observação. Após o caso, Walter foi afastado pela diretoria do Goiás.

O jogador ainda viajou para Rio Verde após o treino, mas ficou de fora da derrota por 2 a 1 para o time da casa, no último sábado, pela sétima rodada da competição, por ter retornado à Goiânia, antes da partida, a pedido do presidente Sérgio Rassi. À Rádio 730, o atacante explicou o que aconteceu no momento e se disse arrependido.

- Estávamos fazendo um jogo-treino na sexta-feira. O Matheus levou um gol, e eu fui falar para ele: 'Pega a bola cara, fecha esse gol', ele ficou irritado e começou a me xingar de maneira explícita. Logo em seguida veio o lance da cotovelada, mas me arrependo demais, sei que foi algo grave e serviu para eu aprender.

O jogador, que atuou em clubes como Fluminense, Cruzeiro, Porto, Internacional e Atlético-PR, ainda comenta que o fato nunca havia acontecido em sua carreira.

- O Harlei (diretor de futebol) me chamou para conversar, e eu falei para ele que estava arrependido, estou muito triste com isso, foi a primeira vez que aconteceu algo assim na minha carreira. Tenho dois anos e meio de história no Goiás e foi a minha primeira briga.

A declaração dada pelo diretor de futebol, Harlei Menezes, onde o dirigente afirmou que Walter havia dito que "faria tudo de novo", foi desmentida pelo atleta.

- O diretor Harlei já conversou muito comigo, tenho um carinho enorme por ele e pelo presidente. Mas a entrevista que o Harlei deu falando sobre mim, não foi certa. Eu não disse que iria fazer de novo, estava com a cabeça quente, apenas isso. Tenho a impressão de que ele quis me jogar contra a torcida, sendo que sou completamente grato aos torcedores por tudo que fazem por mim. Um diretor de futebol não pode dar uma entrevista desse jeito.

O atacante deseja continuar no Goiás, mas, por estar afastado, seu destino é dúvida. Sem saber o que será decidido pela diretoria, Walter comenta que não foi abraçado pelo time e agradeceu pelos dois anos de Goiás e pelo carinho da torcida.

- Hoje estou passando por um momento difícil e o Goiás não me abraçou, mas mesmo assim sou grato (...) O grupo sentiu o que eu fiz, sou companheiro, e eles não esperavam isso de mim. Peço desculpas à torcida por tudo que aconteceu e serei sempre grato. Chego em Goiânia nesta segunda, para terça ou quarta-feira resolver a situação. Vai acontecer o que for melhor para o Goiás, se decidirem quebrar o contrato, vou aceitar sem problemas e seguir outro caminho - encerrou o atleta.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos