Botafogo vence o Flu, com direito a gol impedido, e vai à final da Taça Rio

O Botafogo é finalista da Taça Rio. A classificação não vai mudar o desenho da semifinal do Carioca-2017 (você já deve ter lido/ouvido isso várias vezes), mas fato é que o Alvinegro conseguiu uma tranquila vitória sobre o Fluminense, no Nilton Santos, por 3 a 1, e brigará pelo título do segundo turno com o Vasco, no domingo de Páscoa, no Maracanã.

Mas o Clássico Vovô, que teve ambos os lados usando equipes reservas, ficou marcado por uma falha clamorosa da arbitragem, que validou o segundo gol do Bota, mesmo com Dudu Cearense estando em flagrante posição de impedimento. E olha que o meio-campista teve a companhia de outros quatro botafoguenses na banheira e era o mais adiantado deles.

O responsável pela trapalhada foi Rodrigo Figueiredo Corrêa. Por ironia (cruel), ele é o único representante do Rio de Janeiro entre os assistentes que compõem o quadro da Fifa. Por consequência, é considerado um dos melhores bandeirinhas do estado. E não viu a irregularidade que validou o gol de cabeça.

Como o Botafogo já entrou em campo com a vantagem do empate, o segundo gol sepultou, ainda na etapa inicial, as pretensões do Fluminense (que, sim, cometeu muitos erros e não foi eliminado só por conta do erro).

O Botafogo também teve muitos méritos, apesar das modificações que Jair Ventura fez. Não que Abel Braga tenha testado menos, mas o Alvinegro entrou muito mais ligado na partida, aproveitando que os reservas do Tricolor têm menos rodagem do que os reservas do Bota. O zagueiro Igor Rabello, por exemplo, foi mais esperto e, logo no primeiro minuto da partida, aproveitou a bola longa em cobrança de falta, antecipou-se ao jovem Frazan, e abriu o placar.

Frazan, que fez o segundo jogo como profissional do Flu, não teve uma jornada feliz. Exemplo disso foi a jogada do terceiro gol do Botafogo, quando Sassá passou como quis pelo marcador, bateu firme na saída de Julio Cesar e deu mais uma sarrada no ar.

Se na etapa inicial o Bota marcou logo no primeiro minuto, o gol no segundo tempo saiu com dois minutos.

Além das falhas defensivas, o Fluminense tem a lamentar a falta de eficiência no ataque. Marcos Junior, por exemplo, teve uma chance cristalina ainda quando a desvantagem tricolor era de um gol, mas não conseguiu driblar Gatito Fernández.

Mesmo com o caldo entornado e a desvantagem de três gols, Abel Braga colocou alguns titulares em ação pelo Flu, como Richarlison e Sornoza. O próprio Richarlison sofreu e converteu um pênalti na reta final do jogo, mas a classificação não mudou de dono.

BOTAFOGO 3 X 1 FLUMINENSE

Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)

Data/Hora: 9/4/2017, às 16h

Árbitro: Alexandre Vargas Tavares de Jesus

Assistente: Rodrigo Figueiredo Corrêa (Fifa) e Thiago Farinha

Cartões amarelos: Renan Fonseca, Sassá, Camilo, Gatito Fernández (BOT); Reginaldo, Luiz Marquinhos Calazans, Sornoza (FLU)

Cartão vermelho: Reginaldo, 36'/2ºT (FLU)

Renda/Público: R$ 130.230,00 / 7.309 pagantes

Gols: Igor Rabello, 1'/1ºT (1-0); Dudu Cearense, 26'/1ºT (2-0); Sassá, 2'/2ºT (3-0); Richarlison, 44'/2ºT (3-1)

BOTAFOGO: Gatito Fernández, Fernandes, Renan Fonseca, Igor Rabello e Gilson; Rodrigo Lindoso (Matheus Fernandes, 36'/2ºT), Dudu Cearense, João Paulo e Camilo; Guilherme (Pachu, 31'/2ºT) e Sassá (Vinícius Tanque, 23'/2ºT) - Técnico: Jair Ventura.

FLUMINENSE: Julio Cesar, Luiz Fernando, Reginaldo, Frazan e Marquinhos Calazans; Orejuela, Douglas (Sornoza, 26'/2ºT) e Marquinho; Marcos Junior (Osvaldo, intervalo), Lucas Fernandes (Richarlison, 16'/2ºT) e Pedro - Técnico: Abel Braga.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos