Remanescente de tabu de 13 anos no Santos, Renato quer ser carrasco da Ponte Preta mais uma vez

Thiago Maia tinha sete anos, Zeca e Vitor Bueno, dez na última vez em que o Santos foi eliminado no mata-mata do Campeonato Paulista antes de chegar à final. Só quem lembra com clareza e pode contar essa história com detalhes é o volante Renato.

- Lembrança é difícil. Brigamos para chegar na final. Ser eliminado antes dá uma sensação muito ruim. Por isso vamos tratar o jogo da Ponte como uma final. Respeitamos o adversário, mas contar com o apoio do torcedor - diz o camisa 8, em entrevista ao LANCE!, tentando esquecer.

Que Renato nos perdoe, mas a história precisa ser contada.

Na semifinal do Paulistão de 2004, o Peixe encontrou o São Caetano comandado por Muricy Ramalho. No jogo de ida, na Vila Belmiro, 3 a 3, na volta, no Anacleto Campanella, 4 a 0 para o Azulão sobre o Santos de Diego, Robinho e Renato.

13 anos depois, o Alvinegro se dá o luxo de dizer que entrou em todos os mata-matas para chegar à final. Nos últimos oito anos esteve em todas as decisões, tendo vencido cinco, destas, duas com Renato, em sua segunda passagem.

O que talvez Zeca, Vitor Bueno e Thiago Maia e nem alguns experientes jogadores saibam é que a rivalidade entre Renato e a Ponte Preta, - adversária do Santos, nesta segunda-feira, às 20h, no Pacaembu, que ameaça tirar o Peixe já nas quartas de final do Paulista após ter vencido o jogo de ida por 1 a 0 - começou bem antes da fatídica eliminação de 2004.

Isto porque antes de chegar na Vila Belmiro, em 2000, o volante com passagens pela Seleção Brasileira, Sevilla (ESP) e Botafogo tinha uma longa passagem também pelo Guarani de Campinas, o maior rival da Ponte Preta, fato que explica o fato dele ter sido o jogador santista mais vaiado no Moisés Lucarelli na última semana.

- Sempre que vamos lá (no Moisés Lucarelli) temos essa rivalidade sadia, fiquei seis anos no Guarani. Mas sempre que faço um gol é especial. Vai para o torcedor bugrino também, além do santista. Espero passar por isso nesse jogo também. Enfrentar a Ponte sempre é especial - aposta.

Para 2004 não se repetir em 2017, nada melhor do que a dor e a rivalidade de Renato contra um dos rivais mais assíduos na carreira do camisa 8.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos