Guerrero coloca o Flamengo na final

O tradicional Fla-Flu vai decidir o Campeonato Carioca após 22 anos. O Rubro-Negro se garantiu na decisão ao vencer o Botafogo por 2 a 1, neste domingo, no Maracanã, com dois gols de Guerrero. Sassá descontou.

Um domingo cinza e chuvoso na Cidade Maravilhosa, um Maracanã repleto de lugares vazios, uma tarde de futebol sem brilho em parte da semifinal. O clássico morno passava uma sensação de que os dois times jogavam com certo temor no primeiro tempo. Tanto que os erros saltaram mais aos olhos do que os acertos. Foram 48 passes errados (27 alvinegros e 21 rubro-negros), nove cruzamentos (oito do Fla e um do Bota), além de lances ríspidos, faltas e quatro cartões amarelos (dois para cada lado). A bola, pobre coitada, poucas vezes recebeu bom tratamento. Apenas dois chutes foram em direção ao gol, ambos defendidos pelo paraguaio Gatito Fernandez.

Sem Diego, o Flamengo entrou em campo com a formação esperada no meio: Márcio Araújo, William Arão e Rômulo. Em tese, três volantes. Mas na formação de Zé Ricardo apenas um ficava mais preso na contenção (Márcio), enquanto os outros dois formavam uma linha de quatro com Everton e Gabriel. Mas faltava inspiração, precisão no passe final.

O Botafogo, por sua vez, depois de jogar na quinta no Equador pela Libertadores, viajar na sexta, fazer um treino leve no sábado no Rio, não tinha como voar no domingo. E aceitava a condição de ter menos posse de bola, com o rival rondando mais a área. Parecia jogar por uma bola cruzada na área, um lance de bola parada, um arremate de Camilo. Pouco

O segundo tempo começou sem mudanças dos treinadores. Já a chuva chegou com força ao Maraca. E, com ela, o primeiro gol da semifinal. Guerrero, de primeira, aproveitou rebote logo aos quatro minutos para dar emoção à semifinal. Jair Ventura, então, optou por dar mais vida ao ataque, trocando o centroavante fixo Roger pelo versátil Sassá, além de substituir o marcador Dudu Cearense por Guilherme. E dez minutos depois qualquer chance de reação foi literalmente por água abaixo. Pênalti após Fernandes tocar com a mão na bola, ao tentar proteger o rosto. Guerrero bateu e fez o segundo.

A partir daí o Fogão partiu para frente, criou alguns lances de perigo e viu o Flamengo explorar com velocidade os contra-ataques, principalmente com Berrío. Guerrero teve chance clara para fazer o terceiro, mas desperdiçou. O jogo ficou aberto, escancarado. A arbitragem viu pênalti de Réver em Sassá. Ele mesmo bateu e diminuiu, aos 42. Mas o destino da semifinal já estava decidido. 22 anos após o famoso gol de barriga de Renato Gaúcho, o Fla-Flu voltará a valer um título estadual.

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO 2 X 1 BOTAFOGO

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

Data-Hora: 23/4/2017 - 16h

Árbitro: Leonardo Garcia Cavaleiro (RJ)

Auxiliares: Luiz Claudio Regazone e Thiago Henrique Corrêa (RJ)

Público/renda: 17.140 pagantes; 20.853 presentes / R$ 974.080

Cartões amarelos: Camilo, Carli (BOT), Guerrero, Everton (FLA)

Gols: Guerrero, 4? do 2ºT, Guerrero, 20? do 2ºT (pênalti), Sassá, 42? do 2ºT (pênalti).

FLAMENGO: Alex Muralha; Pará, Réver, Rafael Vaz e Trauco; Márcio Araújo, Romulo (Berrío, 23? do 2ºT) e Willian Arão; Gabriel (Mancuello, 44? do 2ºT), Everton (Renê, 24? do 2ºT) e Guerrero. Técnico: Zé Ricardo

BOTAFOGO: Gatito, Fernandes, Emerson Santos, Carli e Victor Luis; Lindoso (Gilson, 40? do 2ºT), Dudu Cearense (Guilherme, 11? do 2ºT), João Paulo e Camilo; Pimpão e Roger (Sassá, 11? do 2ºT). Técnico: Jair Ventura

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos