Suspenso na primeira final, Marllon volta à Ponte e acredita em virada

Não é exagero dizer que a entrada de Marllon no time titular da Ponte Preta nas primeiras rodadas do Paulistão mudou o destino da equipe no campeonato. A constatação ficou mais clara com sua ausência na partida de ida da decisão, contra o Corinthians, em Campinas.

Com a desvantagem de 3 a 0, o primeiro ponto de contestação da atuação pontepretana entrou para a conta da defesa, tão eficiente contra Santos e Palmeiras nos jogos no Moisés Lucarelli. A diferença foi a perda de Marllon, que levou o terceiro amarelo na semifinal contra o Verdão.

Mesmo sabendo da falta que fez ao seus companheiros, o zagueiro coloca os méritos no entrosamento que tem com seu companheiro Yago, dupla que se firmou rapidamente para levar os campineiros às finais da competição.

- Tem um lado de entrosamento com o meu companheiro Yago, isso faz falta, mesmo que o Yago estivesse fora, faria falta. Fico feliz pelo reconhecimento do trabalho, isso é fruto do dia a dia, do meu empenho, da minha concentração, espero continuar bem o eu venho fazendo no clube - valorizou.

Sem poder ajudar seus companheiros em campo, Marllon torceu e sofreu da arquibancada do Majestoso, junto com os torcedores que lotaram o estádio da Macaca. Apesar da situação difícil que se desenhou para o jogo na Arena Corinthians, o defensor crê em, no mínimo, uma despedida de cabeça erguida.

- A gente está se preparando para isso, para tentar surpreender o Corinthians, alcançar esse resultado e mesmo se não alcançar esse título, sair de lá com uma vitória e de cabeça erguida - finalizou.

BATE-BOLA - MARLLON, ZAGUEIRO DA PONTE PRETA

Como se sentiu quando levou o cartão amarelo que o suspendeu?

No decorrer do jogo a gente acabou esquecendo um pouco, mas depois que acabou o jogo eu fiquei bastante abatido, sabendo que eu não poderia ajudar meus companheiros de campo, mas bola para frente. Temos substitutos à altura, vamos trabalhar essa semana para buscar o resultado lá.

Assistiu ao jogo? Como foi essa experiência?

Claro que eu queria estar dentro de campo ajudando meus companheiros, mas fui para a arquibancada torcer para os meus companheiros, assisti até os 40 minutos do segundo tempo, depois fica complicado para sair, porque a torcida pega um pouco no pé, mas fiquei bastante triste e bastante nervoso por não poder ajudar.

Como lidar com essa situação de impotência de estar na arquibancada e não poder se fazer nada?

Eu fui para o estádio para assistir a um jogo, prestigiar uma final, lugares lotados, torcida comparecendo, fui para a arquibancada como um torcedor comum, infelizmente eu não pude ajudar dentro de campo, meus companheiros me substituíram à altura, infelizmente o nosso coletivo não funcionou, mas vamos trabalhar para reverter o resultado lá.

O que a Ponte precisa fazer para reverter esse placar?

Difícil, mas como eles vieram aqui e fizeram 3 a 0 aqui, por que a gente não pode ir lá e fazer três também, ou até mais? A gente está se preparando para isso, tentar surpreender o Corinthians, alcançar esse resultado e mesmo se não alcançar esse título, sair de lá com uma vitória e cabeça erguida.

Por que o torcedor deve acreditar em uma virada?

Pelo campeonato que eles viram a gente fazer, por eliminar o atual campeão paulista e o atual campeão brasileiro, então por que a gente não pode fazer o mesmo com o Corinthians?

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos