Dudu e Borja veem Palmeiras diferente na volta de Cuca; Prass pede cautela

Cinco meses separaram a despedida de Cuca, contra o Vitória, na última rodada do Brasileirão-2016 e a volta do comandante ao Palmeiras, contra o Vasco, no último domingo. O retorno não poderia ter sido melhor. Uma goleada por 4 a 0, com o Allianz Parque praticamente lotado e um lugar na ponta de cima da tabela do Campeonato Brasileiro.

No entanto, isso não foi o mais importante. A mudança de ares no comando técnico do Palmeiras, com a presença de um ídolo, quase incontestável pela torcida, traz de volta a confiança em dias melhores para o clube em 2017.

E não foi só a torcida palmeirense que sentiu o impacto da troca, os jogadores, dentro de campo se sentiram no dever de trazer um alento para aqueles que acompanham a equipe durante a temporada.

"A gente sabia que tinha que dar uma resposta para o torcedor, um jogo convincente, que eles voltassem felizes para casa, acho que isso aconteceu também, mas agora é manter os pês no chão, porque quarta-feira a gente tem um jogo difícil contra o Inter", avaliou Dudu.

O convencimento dito pelo capitão do Verdão torna-se um ponto crucial na discussão deste 'novo Palmeiras' e corrobora com a motivação dos dirigentes para demitir Eduardo Baptista e (re)contratar Cuca. Embora os resultados não fossem ruins, o desempenho não era o esperado.

"Hoje (domingo) os companheiros me ajudaram bastante, toda a equipe estava muito concentrada. Tivemos uma atuação diferente da que tivemos na Bolívia, pudemos ganhar o jogo e isso foi importante", declarou Borja.

Assim o colombiano viu a atuação do Verdão contra o Vasco, com perfil diferente daquele que vinha sendo exibido sob o comando de Eduardo Baptista. Mas não foi só ele que viu mudanças. A pegada na marcação mais adiantada, pressão na saída de bola e a variação de posições utilizando o melhor que o elenco recheado oferece, foram evidentes para quem assistiu ao jogo.

Em tom mais cauteloso, Fernando Prass ressaltou que sempre que há uma troca de treinador, o grupo naturalmente procura dar uma resposta, mas citou as mudanças de posição que Cuca efetuou em momento delicado da partida sem substituir jogadores.

Além disso, o goleiro do Palmeiras lembrou que esse mesmo time já apresentou partidas muito boas durante a temporada, porém pecou pela falta de regularidade e exagerou na oscilação, algo que ele pede atenção.

"A gente conseguiu contra o São Paulo, contra o Santos na Vila, contra a Ferroviária, contra o Novorizontino... O que aconteceu é que a gente oscilou muito, e agora a gente tem que provar que a gente não vai oscilar. Então no próximo jogo a gente vai ser cobrado, a gente tinha conseguido fazer partidas muito boas antes, mas o problema foi a oscilação", afirmou Prass.

E não vai demorar para o time provar que não vai oscilar. Nesta quarta-feira já terá um grande desafio, contra o Internacional, no Allianz Parque, às 21h45, pela partida de ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos