Quanto vale? Fla reduz dívida, mas gastos com gringos são questionados

Cerca de R$ 36 milhões. Esta foi a quantia gasta pelo Flamengo para contratar Berrío, Mancuello, Cuéllar e Donatti. Do quarteto, somente o primeiro é titular, mas ainda assim está longe de ser uma unanimidade entre a torcida. A quantia é altíssima em comparação com o baixo retorno que os estrangeiros vêm dando no campo. Após a eliminação na Libertadores, os questionamentos sobre o investimento do Rubro-Negro ganharam grandes proporções.

Os valores não foram pagos de uma só vez. Na verdade, boa parte desta quantia ainda está sendo quitada e deve terminar somente no próximo ano, o que cria mais revolta entre alguns torcedores, já que o retorno esportivo desses atletas estão muito aquém do esperado. Na semana passada, o diretor executivo de futebol do clube, Rodrigo Caetano, saiu em defesa do planejamento do Flamengo ao ser questionado sobre a situação. Ele negou que o Rubro-Negro tenha investido os R$ 36 milhões nos jogadores em questão.

- Primeiro que os números não são esses. Acredito que esses jogadores passam por um processo de adaptação, alguns há mais tempo. O Flamengo os trouxe com o objetivo técnico e também com o objetivo de agregar experiência. Mas da mesma forma é claro que gera sempre uma expectativa muito maior. Esperamos, o clube espera, que todos eles possam dar o retorno que esperamos. Em alguns momentos, eles já deram e certamente vão se afirmar. Poderia listar vários nomes que vieram sem custo e são titulares - justificou-se.

Por outro lado, ainda em relação a estrangeiros, com Trauco e Conca, o Flamengo não gastou nenhum centavo nas contratações. O peruano tem bom rendimento na equipe titular e mostra bom entrosamento com Guerrero. Já o argentino que brilhou no Fluminense ainda não estreou e só vai receber salário quando pisar em campo pela primeira vez numa partida oficial pelo clube.

No caso de Conca, ele nem sequer teve a chance de jogar a Copa Libertadores. Contratado com a expectativa que estivesse pronto para a segunda fase da competição, o Rubro-Negro deixou o torneio continental na fase de grupos e o meia será opção para Copa do Brasil - caso o Flamengo avance nesta quarta, diante do Atlético-GO - Copa Sul-americana e Campeonato Brasileiro. A partir do momento que começar a jogar, ele terá vencimentos de cerca de R$ 350 mil mensais, dando um gasto, em sete meses, de R$ 2,4 milhões em ordenado para o ex-jogador de Fluminense e Vasco.

Já Trauco, um dos menores investimentos do clube, inicialmente, deu uma boa resposta. O lateral peruano teve boas atuações no Campeonato Carioca e na própria Libertadores, com gols e assistências, e o baixo salário que recebe na Gávea tem sido motivo de comemoração.

Em termos de comparação, o Flamengo reduziu sua dívida global de 2015 para 2016 de R$ 447 milhões para R$ 390 milhões. Ou seja, R$ 57 milhões a menos. Inegavelmente, a quantia de R$ 36 milhões investida no quarteto já citado comprometeu boa parte do orçamento para o futebol.

Com Guerrero, o investimento também foi alto (R$ 16 milhões de luvas), mas o camisa 9 conseguiu se firmar no clube e deu retorno. Após um início promissor, ele alternou bons e maus momentos até conseguir manter um bom nível de atuações. Neste ano, ele é o goleador do time com 12 gols, sendo um dos destaques do Carioca. Fora de campo, o peruano e Diego costumam aparecer como os astros do clube em campanhas publicitárias.

Titular nos últimos jogos, mas muito questionado. Esse é o caso de Orlando Berrío. Autor de gol na final da Copa Libertadores de 2016, com a camisa do Atlético Nacional (COL), pretendido por outros grandes clubes do Brasil, ele desembarcou por cerca de R$ 11 milhões no clube. Marcou apenas dois gols em 18 jogos com a camisa do Flamengo.

Articulador no Independiente, na Argentina, Federico Mancuello é outro que ainda não mostrou ao que veio. Alternou boas e más atuações em suas temporadas no Flamengo. Jogou 54 partidas e fez oito gols. Poderia ser o substituto natural de Diego, mas não correspondeu. Tanto que o clube ainda monitora o mercado de olho em alguma peça para compor a equipe.

- Mancuello era um jogador disputado por várias equipes, capitão do Independiente, com passagem pela seleção argentina. Donatti foi eleito o melhor zagueiro da última Libertadores jogando pelo Rosario Central. E o Berrío participou da última Libertadores, foi campeão com o Atlético Nacional - explicou Rodrigo Caetano.

Dois casos peculiares dos gringos rubro-negros são Alejandro Donatti e Gustavo Cuéllar. O primeiro, argentino e zagueiro, chegou em 2016 e custou cerca de R$ 5 milhões aos cofres. Porém, são apenas oito jogos e uma coleção de contusões, aos 30 anos. O volante colombiano até tem o apreço de muitos torcedores, mas não o de Zé Ricardo. Afinal, foram R$ 8 milhões por 70% dos direitos econômicos do atleta e apenas 44 partidas em dois anos e 23 como titular e nenhum gol marcado.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos