Gilberto promete reviravolta no São Paulo: 'Ainda temos 32 rodadas'

Autor do primeiro gol são-paulino na derrota para o Corinthians nesse domingo, Gilberto foi o escolhido para dar entrevista coletiva nesta tarde, no CT da Barra Funda, e tratou de passar tranquilidade aos torcedores. O centroavante lembra que o time tem tempo para melhorar no Campeonato Brasileiro.

- Jogamos seis partidas no Brasileiro. Temos mais 32 rodadas pela frente, tem muito jogo pela frente para mostrar isso. O que o São Paulo realmente precisa é uma sequência de vitórias para que a gente ganhe confiança dentro de nós, a força que vem de dentro, mas também a confiança de quem vem de fora, como torcida, diretoria, etc. Vão falar bem da gente e isso vai motivar o treinamento, acho que isso ajuda.

O atacante, que é o artilheiro da equipe na temporada com 12 gols, mesmo passando boa parte do ano como reserva, confia na força mental dos comandados de Rogério Ceni. Por isso, não crê que a derrota em Itaquera possa trazer prejuízos.

- Acho que o São Paulo tem força emocional e time forte. Com o tempo, isso vai ficando mais nítido para vocês que estão fora. Agora não é algo que podemos falar porque não saímos vitorioso do clássico, mas certeza que, com o tempo, vamos conseguir isso, sim - apostou o jogador de 28 anos, com uma dica aos colegas.

- No meu caso, tudo que vem para mim transformo em coisa boa para estar sempre crescendo. Conselho que eu dou é focar na família, focar em estar bem consigo mesmo, só isso vai ajudar a melhorar o rendimento dentro de campo - indicou Gilberto.

Confiança

Confiança no futebol é tudo. Tem que estar bem mentalmente para exercer função de trabalho. Mas isso vem com todas as responsabilidades que a gente tem diante do clube, de torcedores e até comissão técnica. A gente tem a nossa responsabilidade. Eu, por exemplo, pego as coisas negativas e transformo elas em pontos positivos, aprendizado, para que eu cresça naquilo que estão falando mal de mim.

Resposta às críticas

A resposta só pode ser dada dentro de campo. Não tem outro lugar melhor. Sobre nosso elenco, cansei de falar que é bom, e realmente é, bom de se trabalhar, no dia a dia, dentro de campo também. Fico feliz de estar no São Paulo com esse grupo. A gente sabe que errou em alguns momentos, e agora temos que trabalhar para conseguir consertar não só os erros que passaram, mas os que podem acontecer.

Erros na defesa

A gente comenta sobre tudo. A gente se cobra bastante, e tudo que eu faço no ataque é cobrado, tudo o que eu faço até para defender é cobrado, e pode ter certeza que todos são cobrados. Claro que ninguém quer errar, ninguém quer sair perdedor de um clássico. Eu, hoje, não sei nem como estaria aqui falando disso porque é muito melhor falar com uma vitória, mas é nos momentos difíceis que a gente tem que se ajudar, o elenco todo tem que se ajudar e ajudar aqueles que precisam para que a gente possa crescer junto.

Sem pontos fora de casa

Dentro há apoio da torcida, é motivante jogar no nosso estádio, Morumbi, com nosso torcedor apoiando. Posso falar por mim, me sinto muito feliz em jogar onde vários jogadores de renome passaram e vestiram bem essa camisa. Fora de casa, a gente vem buscando a melhor maneira de jogar contra os times, e acho que é uma questão de tempo. Tudo é questão de tempo, de achar função característica do time, tudo que pode ajudar. Rogério está fazendo ótimo trabalho, conseguindo montar o que quer, e quando há imprevisto para vocês (jornalistas) não dá certo. Mas pode dar certo, sim.

Jogo de quarta

Sport é um adversário difícil na Ilha do Retiro e em qualquer lugar, é um time que sempre desponta bem no Brasileiro. Claro, se a gente conseguir a vitória lá é importante, e a gente pretende dar sequência, não só ganhar um jogo, mas manter sequência jogando bem e ganhando.

Ilha do Retiro

Difícil jogar lá, torcida é chata, que pega no pé. Até gosto, por ser de Pernambuco, cresci vendo o Santa e o Sport jogar. Gosto das equipes, mas são torcidas que pegam no pé dos jogadores quando o momento em campo não é bom. Temos que usar isso a nosso favor, pressionar quando der e tentar fazer o gol para deixar a equipe deles abalada, com o motivacional da arquibancada.

Empate no Recife

"Jogo tem que ser jogado, sentido dentro de campo. Acho que a gente pretende fazer isso. Quando a gente entrar e ver o que vai acontecer para que a gente sabe se vai dar pra vencer ou empatar. Eu quero sempre vencer, não tenho outra meta. Claro, respeito todas as equipes, tem que existir respeito, mas claro que eu sempre penso na vitória.

Confiança da torcida

Temos que começar a fazer nosso trabalho direito para que a torcida comece a nos elogiar e gostar do que a gente faz dentro de campo.

Cobranças no elenco

Eu vejo todos os meus companheiros trabalhando forte para conseguir ajudar o São Paulo, e sei que eles querem muito ajustar o mais rápido possível isso. Eu já passei por momento difícil no São Paulo, de não ter feito gols, e sei como a torcida cobra bastante. É válido. Todos se cobram para melhorar.

Sucesso da equipe

Temos vários exemplos de equipes que foram montadas e não deram certo no momento, mas em um ou dois anos, passou a ser campeão de tudo. Há algum tempo vi Maicon dizer que dinheiro não compra gol. É tempo de trabalho que vai fazer com que equipe se torne forte para brigar e brigar por títulos e conseguir vitórias importantes.

Renovação

Não estou sabendo de nada, até porque sou um cara muito centrado no meu trabalho. Gosto de focar em um lugar só, que hoje é o São Paulo, que me abriu as portas em um momento crucial da carreira. Gosto daqui, e a hora que chamarem para renovar, e tenho que ajudar São Paulo de todas as maneiras. No momento não é algo válido falar de renovação, até porque o dia não é um dia propício para isso. Viemos de um resultado que nem eu e nem ninguém no clube gostamos.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos