Advogado afirma que não houve omissão em declaração de CR7

Um dos advogados do atacante português Cristiano Ronaldo, António Lobo Xavier, afirmou nesta terça-feira que o jogador do Real Madrid acha uma "injustiça" as suspeitas da Seção de Delitos Econômicos de Madrid. O português foi acusado de fraude fiscal de 14,7 milhões de euros (aproximadamente R$ 54 milhões).

- Não houve omissão de declaração, houve uma declaração segundo um critério que, aparentemente, não é o critério que a administração fiscal espanhola gosta, mas não tem base em uma lei ou em normas que possa se dizer que o jogador violou - disse em entrevista à emissora "SIC Notícias".

A denúncia aponta quatro infrações fiscais, cometidas entre 2011 e 2014. CR7 teria usado uma estrutura societária criada em 2010 para ocultar rendimentos referentes aos direitos de imagem que recebeu no Real Madrid. António Lobo Xavier garantiu que o português já usava esse sistema de tributação dos direitos de imagem enquanto jogava pelo Manchester United, algo que é "prática muito comum" em terrtório britânico.

De acordo com o advogado, nos anos citados, CR7 não foi interrogado pelo fisco espanhol em nenhum momento. Além disso, disse que, se ele tivesse seguido o critério adotado pela promotoria e pago ano a ano, teria sido cobrado em menos do que pagou em 2014. Ele ainda fez questão de acrescentar que o caso não tem nenhuma relação com o que aconteceu com Lionel Messi, por exemplo.

- É completamente diferente, porque não declararam nada. Ronaldo, antes de ser investigado espontaneamente, declarou o que achava que deveria declarar - disse.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos