'Quem ganha uma partida é o jogador', defende Zico

Não há clubismo que sobreviva à presença de Arthur Antunes de Coimbra. É indiscutível que o Zico é ídolo de todos os torcedores, rubro-negros ou não. A maestria e habilidade que tocava a bola em campo, desde os seus 14 anos, não deixa sobrar dúvidas de que a idolatria ao Galinho de Quintino é mais do que merecida. É tão importante na história do futebol que ganhou sua própria era, entre 1978 e 1983, quando conquistou o Campeonato Brasileiro, Libertadores, Mundial, além de campeonatos estaduais. Marcou sua geração, surpreendeu a anterior, e encorajou a seguinte.

Pequeno e franzino, não demorou para se tornar Arthurzinho e, em seguida, Arthurzico, até que sua prima Ermelinda passou a chamá-lo de Zico. Antes de ser chamado para atuar no futebol de campo do Flamengo, Zico fazia parte de um pequeno time de futsal, o Juventude de Quintino, no bairro de Quintino, localizado na zona norte do Rio de Janeiro.

Já na equipe rubro-negra, ganhou espaço no time profissional em 1971 e foi fazendo história desde então. O que importa é que enquanto houver fã de Zico para contar suas histórias, sua idolatria há de permanecer.

Ao ver a descrição de um ídolo, a primeira ideia que vem a cabeça é de que ele é um ser intocável. Alguém inalcançável, inacessível tamanha sua importância para uma Nação. Engana-se quem pensa assim. Muito descontraído, Zico recebeu a equipe do Lance! em seu camarim, no evento onde foi homenageado pela turma de comportamento organizacional da UFRJ.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos