Prass volta a brilhar, e presidente diz que vê renovação com "bons olhos"

  • Ale Cabral/AGIF

A evolução do Palmeiras, que venceu três dos últimos quatro jogos no Brasileirão, passa por grandes defesas de Fernando Prass. Contestado por parte da torcida no recente momento de instabilidade do time, o goleiro vem de quatro grandes atuações e irá em busca de mais uma no Moisés Lucarelli, às 16h deste domingo, contra a Ponte Preta.

A cada boa defesa aumentam os questionamentos sobre o futuro do ídolo, cujo contrato termina em dezembro. O LANCE! levou o assunto até Maurício Galiotte, presidente do clube, que fez elogios ao jogador e falou em iniciar a negociação para renovar "no seu tempo".

"É um grande goleiro. O Prass tem uma história conosco. Nós temos um cronograma e vamos respeitar o cronograma, mas vejo com muito bons olhos, gosto muito do Fernando Prass. Tudo a seu tempo, vamos tratar", disse.

Sempre que questionado sobre o assunto, o goleiro garante que sua carreira terá pelo menos mais dois anos e salienta que seu desejo é permanecer no Palmeiras, clube que defende desde 2013 e pelo qual já disputou 230 jogos e faturou os títulos da Série B, da Copa do Brasil e do Brasileirão. No dia 9 de julho, ele completa 39 anos.

"Vim para o Palmeiras em um dos piores momentos da história do clube e graças a Deus consegui participar de toda essa mudança. Se eu pudesse escolher, ficaria no Palmeiras até o fim da carreira. Mas a gente sabe que não é uma decisão unilateral, depende até mais do clube do que de mim, até porque todo mundo sabe da minha vontade", disse nesta semana, à ESPN Brasil.

O camisa 1 teve momentos de brilho contra Fluminense (vitória por 3 a 1), Santos (derrota por 1 a 0), Bahia (vitória por 4 a 2) e Atlético-GO (vitória por 1 a 0). Neste último jogo, fez apenas uma defesa difícil, mas com grau de dificuldade muito elevado: cara a cara com Júnior Viçosa, aos 40 minutos do segundo tempo, evitando o empate e o consequente tropeço no Allianz Parque.

Antes, ele havia cometido falhas contra Atlético Tucumán (pela Libertadores), São Paulo e Coritiba, fazendo com que torcedores mais impacientes pedissem o retorno de Jailson à titularidade. Prass minimiza:

"No Campeonato Brasileiro de Série A dificilmente tu vai jogar contra uma equipe que não vai dar um chute no gol. Sempre vou ter que trabalhar. Óbvio que, dependendo dos jogos, tu vai trabalhar mais ou menos. A postura do Atlético-GO era de contra-ataque, jogar no nosso erro. Eles criaram uma chance no primeiro tempo, que ele chutou para fora, e uma no segundo. Aí entra a situação de jogar em time grande. Tu tem uma ou duas ações no jogo e tem de tentar ser eficiente nessa ação", disse.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos