A investigação envolvendo Teixeira e Rosell em jornais europeus

A aguardada bomba entremeada no "Relatório Garcia" abalou as estruturas do futebol na última terça-feira. Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, é citado diversas vezes como sendo um dos beneficiários de vantagens indevidas durante o período de candidatura. Atualmente, o antigo cartola é réu nos Estados Unidos e investigado na Espanha.

Por falar no país europeu, por lá, Sandro Rosell, ex-presidente do Barcelona, está atualmente preso pela suspeita de receber propina na exploração dos amistosos da Seleção Brasileira.

A repercussão na imprensa da Espanha, diferente da brasileira, não é estridente. O jornal catalão "Sport" traz como destaque uma contundente reportagem do alemão "Bild", onde é informado que Rosell transferiu, em junho de 2011, seis meses após a eleição do Qatar para sediar a Copa do Mundo de 2022, 2 milhões de dólares para a conta da filha de dez anos (à época) Ricardo Teixeira, então membro do Comitê Executivo da Fifa.

A publicação do "Bild" também questiona se foi apenas "coincidência" o início do patrocínio da Qatar Airways, em 2013, como o principal investidor do Barcelona, dirigido então por Sandro Rosell. O mesmo enfoque e reprodução, cabe destacar, ocorre no "Mundo Deportivo", outro jornal catalão.

O "Sport" já havia afirmado que Sandro Rosell fazia boa parte de seus negócios no Brasil. No fim do ano passado, inclusive, o ex-mandatário culé esteve em terras tupiniquins, em reunião em um luxuoso hotel na Rua Oscar Freire.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos