Em busca de título inédito, chilenos deixam mensagem de esperança

A Copa das Confederações vale muito mais do que um simples título para o Chile. Além de ser finalista do torneio pela primeira vez, a Roja, que tem em campo a sua melhor geração, pode garantir um importante legado para o futuro do futebol local. Independente do resultado deste domingo, diante da Alemanha, Vidal acredita que esta será a grande oportunidade para que o Chile inicie uma fase positiva de mudanças.

- Todo o sacrifício para chegar sempre a uma final e seguir ganhando Copas é uma mensagem para todos os chilenos e jogadores jovens, que com trabalho podem chegar a coisas importantes. Esperamos que cheguem mais jogadores e continuemos ganhando coisas para nosso país. Nós estamos orgulhosos, depois teremos outras copas que esperamos estar no nível e ganhar mais coisas - disse o volante.

O capitão Bravo também fez questão de mandar um recado aos mandatários do futebol chileno.

- Outro dia no Estádio Nacional (de Santiago), após uma sessão de fotos, nos fomos para uma zona onde geralmente só vão jornalistas e torcida, pois nós ficamos só nos vestiários e no gramado. Tentamos ver tudo no estádio e tive a ingrata surpresa de ver um estadio vazio, sem alma, pobre, sujo, com muitas paredes brancas, sem identidade. Me deu pena ver o estádio de nossa seleção sem fotos das pessoas da Copa do Mundo de 1962 (em casa) ou de outros mundiais - disse o goleiro, complementando:

- Não há nada em nosso vestiário, não há fotos nossas quando jogamos. São coisas que temos que melhorar. Hoje em dia, vemos isso nos estádios em todo lado, a família fica orgulhosa. É bom ter uma sala que receba a família. Acessos correspondentes aos ingressos de alto valor. E dá pena quando vive essa boa fase de outro ponto de vista. Nós estamos sempre competindo, mas neste outro lado há poucas críticas para tentar pressionar nesse aspecto - concluiu capitão.

Ao lado do goleiro, Alexis Sánchez também aproveitou para comparar as condições do futebol chileno aos demais sul-americanos. Segundo ele, os responsáveis pelo esporte em seu país precisam entender que a seleção deve seguir crescendo, dando oportunidades a jovens e não simplesmente depender de uma única geração.

- As pessoas falam de nós, mas têm que falar de tudo, de outras pessoas. Peço que vocês também fortaleçam o pedido por um campo novo. Não para nós, mas para quem vem depois. Para que olhem e digam: "Oh". Duas copas... Não é fácil nesse sentido para o Chile. Se for um argentino ou brasileiro, sempre vale, mas nós somos chilenos, estamos acostumados com o sim e não, com a sorte, ir passando. Somos uma geração que pode contar só com o que tem - declarou o atacante.

Chile e Alemanha fazem a decisão da Copa das Confederações neste domingo, às 15h (de Brasília), na Arena Zenit, em São Petersburgo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos