Clubes do Rio e Ferj dão 'caminhão' de desculpas contra a biometria

"Vai ter fila, demora para entrar, o problema é da Polícia..." A justificativa dos clubes e Federação do Rio para se livrarem da obrigatoriedade de adoção da biometria nos estádios é longa. Enquanto ninguém se mexe - nem o poder público -, a identificação dos torcedores baderneiros nos estádios vira missão impossível, assim como barrar aqueles que estão impedidos pela Justiça de entrarem na praça de desporto.

Os quatro grandes cariocas, a Ferj e a CBF são réus em uma ação civil pública movida pelo Ministério Público do Rio e chegaram, graças a uma liminar, a ficar obrigados a implantar, em um prazo de 90 dias, o sistema de biometria em todos os estádios do estado. A decisão, no entanto, foi revogada no mesmo mês de maio, após recurso aceito pelo desembargador Gilberto Matos, do Tribunal de Justiça do Rio.

Ao mesmo tempo, o Atlético-PR já passou a implantar a biometria para acesso em toda a Arena da Baixada. Na Arena do Grêmio, o processo de cadastro dos torcedores está em curso, mas apenas para os que estiverem no setor Norte, a famosa geral gremista.

Nos documentos enviados à Justiça, os réus enumeram uma série de pontos. O Vasco, cuja torcida protagonizou a mais recente confusão, ressalta que a biometria "transferir ao particular uma obrigação que compete única e exclusivamente ao Estado". O Cruz-Maltino aponta ainda que não daria para implantar em 90 dias porque "seria necessária a criação e manutenção de um enorme banco de dados para a identificação de todo torcedor".

A Ferj, pelo despacho do juiz, foi quem deu o maior número de argumentos. A entidade alegou que "em uma partida com expectativa de público de 50 mil pessoas, se cada pessoa demorar 5 segundos para a sua identificação biométrica, serão necessárias 69 horas para todo o contingente acessar o estádio", obviamente ignorando a existência de várias filas de acesso.

O Fluminense usa argumento similar sobre as filas e acrescenta que "os organizadores do evento futebolístico não possuem poder de polícia, e, portanto, não podem impedir que um torcedor portador de ingresso válido insira seu bilhete na catraca e adentre ao estádio".

O Flamengo, também réu, disse que "eventuais erros de leitura poderão ensejar o acúmulo e confinamento de pessoas, trazendo enorme risco de desencadear sufocamento e pisoteamento", completando que "a biometria é facilmente burlável".

O Botafogo entende que a biometria "não impedirá eventos de violência entre torcidas organizadas nos arredores dos estádios". O Glorioso ainda cita que "a legislação aplicável não autoriza que pessoas jurídicas de direito privado participem da rede INFOSEG", o banco de dados do Ministério da Justiça e de outros órgãos públicos, considerando a natureza sigilosa das informações.

ONDE HÁ APOIO?

Quem vai na contramão da argumentação dos cariocas é o Atlético-PR. Desde 2015, o sistema de biometria está instalado no setor Sócio Furacão Fan, onde fica localizada a torcida organizada. E, em maio, o clube paranaense anunciou que a medida será estendida. O planejamento era implantação em julho, mas o pontapé inicial foi prorrogado para agosto.

Para tal, o Furacão irá instalar 120 catracas no estádio, cuja capacidade aproximada é de 40 mil torcedores. O clube negocia para ter acesso ao banco de dados dos órgãos de segurança do Paraná, segundo relato ao jornal O Globo.

A Arena do Grêmio vai no mesmo caminho. O processo de cadastro está em curso e vai abranger quem quiser assistir às partidas no setor Norte, onde ficam as organizadas.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos