América desconhece investigação de pagamento de propina para liberação do G. Coutinho

O América desconhece a investigação da Corregedoria Geral Unificada (CGU) da Segurança Pública e do Ministério Público do Rio de Janeiro, que prendeu 34 pessoas, na manhã desta terça, suspeitas de de receber propina para conceder licenças a estabelecimentos comerciais, entre eles o Estádio Giulite Coutinho, que recebeu jogos do Fluminense entre julho de 2016 e julho de 2017.

- Desconheço completamente. O América sempre fez tudo dentro da legalidade - afirmou Marco Antonio Teixeira, diretor executivo de futebol e secretário geral administrativo do América, em rápido contato ao L!, antes de completar:

- Vamos nos inteirar da situação e nos posicionar oficialmente - finalizou.

A notícia da operação da Corregedoria Geral Unificada da Segurança Pública e do MPRJ foi inicialmente publicada pelo portal G1. Os 38 mandados de prisão começaram a ser cumpridos nesta manhã. Dentre essas pessoas, 35 são bombeiros e 34 foram presos até às 9h50 desta terça-feira.

Segundo agentes da CGU, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MPRJ e da Polícia Civil, o estádio e outros locais que reuniam grande público receberam documentações sem cumprimento das exigências de segurança.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos