Com Lucas Lima incerto, Jean Mota e Vecchio brigam por vaga no Santos

Com a incerteza de Lucas Lima atuar pelo Santos na próxima quarta-feira, contra o Barcelona de Guayquil, às 21h45, na Vila Belmiro, pelo jogo de volta das quartas de final da Libertadores, Jean Mota e Vecchio disputam a vaga no meio. Ambos já foram elogiados pelo técnico, mas quem tem o melhor desempenho?

Apesar do argentino ser menos utilizado pelo técnico Levir Culpi e ter se machucado em meio a trajetória no Peixe - tem apenas sete jogos, cinco como titular -, ele ainda briga com Jean Mota, que ganhou sequência com o treinador e fez 31 jogos no Alvinegro, 23 como titular, porém apenas quatro como meia.

O LANCE! realizou um levantamento com jogos, números e características dos atletas para mostrar a qualidade de ambos em campo. Vote no duelo no final da matéria.

JEAN MOTA

- Atuou 31 vezes, 23 como titular

- Dos 31 jogos, apenas quatro foi em sua posição de origem - uma no Campeonato Brasileiro e três na Libertadores

- Dos 31 jogos, foram 18 vitórias, oito empates e cinco derrotas, com quatro assistências

- Ganhou grande sequência na lateral-esquerda por conta das contusões de Zeca. Com isso, tem ótimo ritmo de jogo, bons passes (89,4% de aproveitamento), e um cruzamento preciso, tanto que já foi elogiado por Levir. No entanto, jogou pouquíssimas vezes como meia.

- O Jean vinha jogando na lateral, então não posso cobrar muito, porque o jogador sente essa mudança. Ele não deixou brecha na defesa, só que faltou coordenação para o ataque - explicou Levir, após o empate por 0 a 0 contra o Avaí.

- O Jean Mota está jogando no sacrifício. É um meia. Claro que tem dificuldade (para jogar na lateral), mas distribui bem o jogo, tem jogado regularmente - também disse após a derrota contra o Flamengo, por 2 a 0.

VECCHIO

- Atuou sete vezes, cinco como titular

- Dos sete jogos, em um foi titular no lugar de Lucas Lima, quando marcou o único gol do Peixe contra a Chapecoense, pelo Brasileirão, em triunfo por 1 a 0

- Dos sete jogos, foram seis vitórias e um empate, com uma assistência

- Chegou a ganhar sequência, mas perdeu espaço com a lesão na coxa direita. Com a falta de ritmo, acaba sendo um pouco lento, mas é muito técnico e tem facilidade em distribuir passes na articulação de jogadas entre defesa e o ataque.

- É muito técnico. Posicionou-se muito bem. Ele compensa (a falta de ritmo) com a técnica. Foi um golaço - disse o treinador após partida contra a Chape, em que o meia marcou gol.

- Ele realmente está muito bem. Ele sentiu a falta de jogo. Tem o passe ótimo e está sendo muito importante no campeonato. Fiquei feliz por ele - também falou após o jogo contra o Bahia, em ótima atuação de Vecchio.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos