Sem temer demissão, Dorival quer São Paulo com mais equilíbrio e sorte

Dorival Júnior falou com a imprensa por cerca de 40 minutos nesta sexta-feira, antes do treino que comanda sem a presença de jornalistas. Aprovou o encontro com torcedores realizado nesta semana, falou que busca equilíbrio e até sorte a partir do jogo deste domingo, contra o Vitória, em Salvador, e não mostrou qualquer preocupação com o risco de demissão no São Paulo.

- Fui contratado para desenvolver um trabalho, não me preocupo se agrado esse ou aquele, busco resultado. Se pessoas não veem o que está se passando, não me importo. Estou preocupado em fazer meu trabalho e querendo o melhor pelo clube. Farei o máximo. Fui contratado para me entregar de corpo e alma, como tenho feito, chegando 7h e saindo 21h, desenvolvendo meu melhor. Farei isso enquanto tiver confiança de todos que dirigem o São Paulo. Eles acompanham o dia a dia e veem o que está sendo feito. Agradar a todos você não vai conseguir em momento nenhum. Quero dar o melhor trabalho possível ao São Paulo e buscando os resultados muito mais do que esses pseudotorcedores.

Ao longo da entrevista, o técnico ressaltou que está no clube há só dois meses e que a maioria dos jogadores que ele vem utilizando não tem nem dez jogos neste ano pelo Tricolor. Ainda assim, avisou que há evolução, mesmo com a falta de resultados, já que o time ocupa a penúltima colocação do Brasileiro, com 24 pontos em 23 partidas, figurando na zona de rebaixamento em 11 rodadas.

- Está mudando, é perceptível. Só não vê quem não quer. Resultados não vêm acontecendo, mas há melhora. Mesmo com dificuldades, conseguimos viradas, vitória fora. O São Paulo ainda não alcançou equilíbrio, a grande maioria dos jogadores atuou no máximo dez partidas no clube. Não se faz uma equipe da noite para o dia, mas há evolução. A falta de resultados pontuais, contra Ponte Preta, Coritiba, poderia alavancar situação e fazer torcedor acreditar mais. Mas o São Paulo está bem próximo de viver um novo momento. Temos de trabalhar, oscilações são naturais e nossa margem de erro é menor a cada rodada.

Pesa contra Dorival a má campanha fora de casa, já que o São Paulo é o pior do Brasileiro nesse aspecto, com apenas cinco pontos somados longe do Morumbi. Mas o técnico, que conquistou quatro desses pontos (empatou com Avaí e venceu o Botafogo de virada), avisa que o que está faltando para melhores resultados como visitante é sorte.

- Alcançamos pontos importantes fora de casa. Estamos buscando opções, mudanças em conceito, formação, escalação. Preciso tentar estabilizar a equipe ao longo de 90 minutos. Em apenas um lance contra a Ponte, mudou o contexto da partida. Aquilo foi muito prejudicial. Temos que contar com fator sorte, que venha para o nosso lado. Pode estar muito próximo acontecer. Que venha para o nosso lado, estamos esperando - falou, sempre defendendo seu trabalho em busca de uma time equilibrado.

- É uma equipe que está sendo remontada, trabalho refeito dentro da competição. Se em alguns aspectos mostramos evolução, é natural que não sustentamos nos 90 minutos. Espero desenvolver condição diferente e que sintamos menos momentos da euforia do gol ou decepção do gol tomado. Isso tem causado desequilíbrio. Precisamos atuar com regularidade os 90 minutos, de tentar sustentar o que realizamos em boa parte dos jogos contra Ponte, Botafogo, Cruzeiro, Palmeiras. Tentar regularidade maior. Assim, vamos melhorar nossas condições para buscar um bom resultado. Tudo que evoluímos sempre é apagado se resultado final não acontece.

Confira outros temas abordados por Dorival Júnior em sua entrevista coletiva nesta sexta-feira:

Respaldo da diretoria

Diretoria é participativa, dinâmica, resolve problemas rapidamente. Ouço notícias e fico chateado porque vemos integração, interesse de todos, preocupação. O clube está vivendo situação por série de fatores que desencadearam nessa condição, mas não há omissão, pelo contrário. As pessoas querem proporcionar todas as condições possíveis. Não vejo situação nenhuma que coloque a diretoria em xeque, sinceramente. Essa pseudoinsegurança neles não existe. Estão abertos a ouvir qualquer sugestão importante. Tudo que é possível está sendo feito. Resultados poderiam ser melhores. Já que estão demorando para acontecer, que venham com sabor maior. É isso que queremos.

Reunião com torcida

Foi uma decisão do presidente, mas, antes da reunião, tinha minhas preocupações. Todo trabalho de remotivação, de busca por caminho, ali poderia ter outro enfoque. Mas não foi isso que aconteceu. A torcida do São Paulo tem sido exemplar no País, ao contrário de muitas ações que já vi na carreira, vem incentivando até o último momento, querendo deixar jogadores em ótima condição, e não foi diferente. Reunião de nível, sem agressões. Assuntos envolvidos foram importante, muito mais positivos do que negativos. Mas fica aqui dentro.

Torcida cobra, e a diretoria?

Foi um pedido das torcidas, feito com educação e respeito. A diretoria não deixa de cobrar. E, muito mais de cobrança, foi reconhecimento da luta e entrega dos jogadores com a camisa e a causa. Os próprios torcedores, e não foram apenas os organizados, reconhecendo esforço dos atletas para sair dessa situação o quanto antes. Eles sabem que não é fácil, muito complicado. Se pegarmos a equipe hoje, da equipe de dois, três meses atrás, existem poucos jogadores que faziam parte daquela escalação. É uma remontagem em condição com Sidão na terceira partida, talvez, Militão fará a segunda. Arboleda não fez dez partidas, e chegou antes de mim, aí computo Hernanes, Petros, Lucas Fernandes, Marcos Guilherme.

Muricy Ramalho

O que menos temos de ter nesse momento, individualmente, qualquer que seja a função, é colocar nossas questões pessoais na frente da entidade e das necessidades. Qualquer auxílio neste instante é bem-vindo. Muricy é meu amigo, uma pessoa que respeito, me ligou duas, três vezes preocupado com repercussão. Ele tem limitações pela função que está abraçando, mas quer tomar café, dar palavra de incentivo, e isso é sempre bem-vindo. Nunca tive problema com isso nem terei. Qualquer situação para o bem do São Paulo será bem-vindo. Muricy tem história fantástica aqui, merece respeito e consideração.

Semana com poucas entrevistas dos jogadores

A importância de um jogo como esse é fundamental para sequência, condições da equipe. Não foi nada deliberado nem preparado, mas temos de falar o mínimo possível e trabalhar o máximo. Respeitamos a necessidade de buscar notícias e matérias, inclusive passar coisas positivas para a torcida. Mas temos de focar no nosso trabalho. Só dele sairemos dessa situação.

Busca por jogo melhor

Primeiro, você estabiliza uma equipe e, depois, insere conceito. O São Paulo está sendo estabilizado dentro da competição, com jogadores atuando menos de dez partidas. Não se consegue estabilidade, e fica mais difícil. Jogadores estão se conhecendo dentro da competição. Sete jogadores chegando agora. Hernanes conhece o clube, mas tem outro grupo, e muita gente se estabilizando até no País. Muitos jogadores não têm nem dez partidas pelo clube, eu completo 60 dias de trabalho. Em sete jogos, não tive nem dois dias de trabalho, com jogos de quarta e domingo. Coloquei isso para a diretoria, e eles têm noção. Alguma coisa está sendo acrescentada, mas temos de acelerar esse processo. Não podemos nos manter como estamos, jogadores sabem, mas há evolução e temos de buscar uma aproximação mais rápida. Não abro mão do conceito, o São Paulo sempre foi equipe que procurou jogar, com posse de bola, mas, primeiro, vamos buscar estabilidade.

Posse de bola

Ainda faltam detalhes importantes, como enfiada de bola, atleta perceber o movimento do companheiro, o que só ocorre quando se conhecem mais. Em pouco tempo, não se adquire isso, apenas tem ideia. Poder imaginar o que companheiro vai fazer e antecipar não existe, por isso a marcação prevalece, você se limita a movimentação por trás, mais segura, do que movimentação entre laterais e zagueiros, uma infiltração. isso preocupa porque você não se expõe com pouco tempo de trabalho.

Lucas Fernandes e Cueva

Fizemos opções com Lucas, Cueva, dois juntos, um atacante, dois atacantes, opções de velocidade. Ainda não definimos.

Maicosuel

Maicosuel está voltando, teve problema sério que foi resolvido. Busca melhor condição física, paralelamente a trabalho técnico e iniciando na parte tática., pela experiência,s abe que tem importância e, no primeiro instante, espero contar com ele. Tive necessidades em partidas anteriores em que não pude fazer alterações que gostaria.

Concentração dois dias antes

Tudo que pudemos fazer para jogador ter recuperação completa. Estando aqui, estaremos de olho, com repouso e alimentação nas horas corretas. Isso se faz necessário em um momento como esse. Jogadores estão entendendo, abraçaram a ideia. Espero transformar pequenos detalhes em resultado.

Hernanes e Pratto

É o momento. Hernanes tem sido fundamental e esperamos que continue assim. Temos tentado criar, buscando resultado, o São Paulo não se acovarda. Mas tem momento que coisas não acontecem como esperávamos. Que essa distância diminua e esteja próxima de acerto, que todos os jogadores se sintam ainda mais preparados para serem decisivos em momentos importantes.

Jogadores nas redes sociais

Peço que tenham muito cuidado. Mesmo em grupos que têm apenas amigos, essas informações podem ser vazadas e expostas em outra situação. Muito cuidado. exposição nunca foi boa, tanto positivamente quanto negativamente. Manter-se alienado e afastado é importante. Vida profissional é uma coisa, pessoal é outra, e as pessoas precisam saber disso. Todos participam de redes sociais e corremos riscos naturalmente. Que todos tenham cuidado. Qualquer colocação sua pode ter impacto muito maior do que se imagina.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos