Sustos, apoio de Dorival e brilho em Salvador: um mês de Sidão no gol

  • Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

    Sidão tem se destacado no gol são-paulino

    Sidão tem se destacado no gol são-paulino

Há exatamente um mês, em 20 de agosto, Sidão foi titular contra o Avaí, em Florianópolis, e iniciou a trajetória atual no gol do São Paulo. De lá para cá, o time voltou e não saiu da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro e o camisa 12 ainda não inspira completa segurança entre muitos torcedores, mas, entre altos e baixos, ao menos viveu seu melhor momento no último fim de semana.

Nesse mês como titular, ganhando vaga por opção de Dorival Júnior, Sidão teve excelente atuação no triunfo por 2 a 1 sobre o Vitória, ainda que cometesse erro no gol adversário. E continua sob as traves tricolores no clássico contra o Corinthians, neste domingo, no Morumbi. O técnico manteve apoio ao seu escolhido e sua decisão mesmo diante de insinuações de que a mudança foi motivada pela negociação da renovação do contrato de Renan Ribeiro.

Na comparação com Renan Ribeiro, que era o titular, os números apontam piora em alguns aspectos. Sidão levou oito gols em quatro jogos, uma média de dois gols sofridos por partida, superior aos 1,4 de Renan (foi vazado 28 vezes em 20 rodadas que atuou. De acordo com o Footstats, Renan supera Sidão no acerto de passes (98,5% contra 98%) e de lançamentos (40,4% contra 32,4%).

Em compensação, Sidão levou somente um cartão amarelo, contra dois de Renan, embora o antigo titular tenha disputado 20 partidas, diante de apenas quatro do atual dono do gol. Além disso, Sidão ainda não cometeu nenhum pênalti, enquanto Renan fez falta dentro da área (em cobrança que Sassá desperdiçou) exatamente em sua última partida como titular, na vitória por 3 a 2 sobre o Cruzeiro, em 13 de agosto.

Na análise técnica, Sidão deu sustos, principalmente com os pés. No empate por 1 a 1 diante do Avaí, em Santa Catarina, em 20 de agosto, entregou duas bolas para os adversários, e Júnior Dutra quase balançou as redes em uma delas. Na derrota por 4 a 2 para o Palmeiras, no último dia 27, no Allianz Parque, deu uma furada na área e também, ao fazer uma reposição, deixou a bola com Willian, que levou perigo - no segundo tempo, contudo, o goleiro salvou a equipe em finalização de Deyverson, quando estava 2 a 2.

No empate por 2 a 2 contra a Ponte Preta, no dia 9, no Morumbi, Sidão viveu altos e baixos. Realizou grandes defesas em cabeçadas de Luan Peres e Léo Gamalho. Mas, logo depois de rebater o cabeceio de Luan Peres, ocorreu o escanteio em que o goleiro falhou e acabou ocorrendo o pênalti cometido por Jucilei, que iniciou a reviravolta do time campineiro no placar.

Já contra o Vitória, no domingo, Sidão foi fundamental aos quatro minutos do segundo tempo. O jogo estava empatado sem gols quando o camisa 12 realizou uma sequência de duas defesas seguidas, evitando que a equipe da casa saísse na frente no Barradão. Por isso, acabou diminuindo o peso de ter apenas acompanhado a bola na finalização na trave antes de Tréllez fazer o gol do Vitória, já no fim.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos