Petros nega que devolverá salários se clube cair: "Problema não é dinheiro"

  • Érico Leonan/saopaulofc.net

    Petros falou que tudo foi um mal-entendido

    Petros falou que tudo foi um mal-entendido

Na semana passada, surgiu um rumor entre são-paulinos de que Petros, na reunião do elenco com torcedores no CT da Barra Funda, disse que devolveria os salários que recebeu se o clube for rebaixado no Campeonato Brasileiro. Mas o volante, embora confie na recuperação do time, nega ter feito a promessa. E avisa que não é por nenhuma razão financeira que a equipe vive a situação em que está.

"Isso foi um mal-entendido. Eu não me pronunciei na reunião. E acho, também, que esse não é o fator principal. Se o problema para sair da zona de rebaixamento e ficar livre fosse dinheiro, estava mais do que resolvido. Mas não foram palavras minhas".

A respeito do encontro com membros de organizada, sócios-torcedores e sócios do Tricolor, o combinado é de que ninguém do time fale sobre o que foi falado. Mas as informações são de que quem se pronunciou em nome da equipe foram Hernanes e Lugano, não Petros, como relata o volante.

Mas o camisa 6 avalia como positiva a conversa ocorrida na semana passada, já que o intuito era ajudar o time que ocupou a zona de rebaixamento em 12 das 24 rodadas do Campeonato Brasileiro. Petros, contudo, diz que essas reuniões com torcedores não são a solução para eliminar de vez o risco de o clube jogar a Série B nacional pela primeira vez em sua história.

"Os torcedores que vieram representaram os 25 milhões de torcedores que nos apoiam por todo o mundo. Tudo que for positivo e para somar nesse momento tão difícil é bem-vindo. Ficamos muito felizes. Se essa for a fórmula, que venham toda a semana para podermos vencer. Mas sabemos que não é isso. É trabalho, dedicação, persistência, e seremos coroados se trabalharmos muito bem".

Comprado por R$ 9,2 milhões do Betis, da Espanha, em junho, Petros tem apenas 14 jogos pelo clube, mas rapidamente se tornou um líder no elenco. No domingo, por exemplo, logo após o triunfo por 2 a 1 sobre o Vitória, fez questão de responder ao zagueiro Kanu, do time baiano, que tinha falado em "atropelar o São Paulo". Uma mostra da faceta de xerifão que o volante tem adotado.

"É um momento complicado, tento ajudar como posso. Às vezes, não pode ser tecnicamente, mas na entrega, na vontade, na dedicação, no comprometimento 100% ao clube. O grupo todo tem esse papel, mas é claro que temos um grupo jovem e é uma decisão nossa. Saio e dou a cara para bater pelos meninos, e não vejo nenhum problema nisso. Até sair dessa situação, cada um defende o seu. Eu defendo o São Paulo. Se tiver que dar minha vida, eu dou para poder vencer e sairmos dessa".

Com esse espírito, o São Paulo recebe o líder Corinthians, às 11h de domingo, com mais de 50 mil ingressos já vendidos para a partida no Morumbi - haverá torcida única, como vem ocorrendo em todos os clássicos paulistas desde o ano passado. O Tricolor ocupa a 17ª posição, com 27 pontos, e tem chances de terminar a rodada não só fora da zona de rebaixamento, mas na faixa da tabela que dá vaga na Copa Sul-Americana de 2018.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos