Cristiane abandona Seleção feminina e expõe mágoa com a CBF

Com um posicionamento firme, revelando uma série de mágoas com a CBF, a atacante Cristiane anunciou nesta quarta-feira que não defende mais a Seleção Brasileira feminina de futebol. Sendo uma das mais experientes do grupo, ao lado de Marta, a jogadora - que já foi a terceira melhor do mundo - tornou pública a decisão após a demissão da técnica Emily Lima.

Cristiane, de 32 anos, foi uma das jogadoras que assinaram carta destinada ao presidente Marco Polo Del Nero solicitando a manutenção de Emily no cargo. Mas o pedido não foi atendido.

- A decisão mais difícil que já tomei na minha vida até hoje, profissionalmente, pensei durante todos esses dias. Escutei vários pedidos para que eu pensasse, inclusive das meninas, das atletas, mas eu não vejo outra alternativa por conta de todos os acontecimentos coisas que eu já não tenho forças pra aguentar. Aguentei por 17 anos, mas não tenho mais força - disse Cristiane, que questionou a falta de tempo dado a Emily para trabalhar:

- Simplesmente tiraram essa comissão em pouquíssimo tempo. Todas as atletas estavam gostando do trabalho. Fico sem entender... Por que todas as comissões que passaram tiveram um tempo muito grande de trabalho, conseguiram um ciclo todo de trabalho e essa não teve se quer a oportunidade? Por que era mulher?

Mas a decepção de Cristiane vai além da troca de treinador. Ela citou que houve questões estruturais e projetos da CBF que não foram acatados.

- Por que não colocam nossas camisas à venda? E eu cansei de ter que ficar escutando de diretor que nós só sobrevivemos por conta do dinheiro do masculino. Já que isso acontece, por que não criam um plano para que possamos sobreviver por nós mesmas? Criem. Se tem pessoas que não têm vontade de trabalhar para que isso aconteça, tem várias outras que tem, inclusive ex-atletas que não tem oportunidade - disparou a jogadora, que atua no futebol chinês.

Cristiane relatou que conversou com Vadão, antecessor e substituto de Emily Lima. Ela ressaltou que não tem nada contra o treinador.

- A minha decisão não foi por conta da comissão do Vadão. De maneira alguma. Eu conversei com ele antes disso. Ele pediu para que eu ficasse, conversou bastante comigo, e me falou da importância paro grupo. Eu agradeci demais porque ele é uma pessoa incrível - emendou a atacante, que fez um apelo direto a Marco Polo Del Nero:

- Faça o senhor, por favor, uma reunião com as atletas. O senhor e somente as atletas. Escutem o que elas têm para pedir. Nós temos tantas ideias boas e positivas para a modalidade andar e crescer mais ainda. Por isso que todos os outros países estão crescendo. Eu não tive mais voz aí dentro. Todas as vezes que eu pedi, era a chata ou a que falava demais. Então, eu já estou saindo antes, não vão ter mais com o que se preocupar.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos