Em protesto, Barça, Espanyol e Girona optam por não treinar nesta terça

  • AFP PHOTO / JOSE JORDAN

O Barcelona seguiu a onda de protestos na Catalunha e, nesta segunda-feira, funcionários do clube pararam por 15 minutos em protesto contra a violência e brutalidade dos policiais diante da população local, durante a votação do referendo que discute a independência da região, no último domingo. Além disso, os Blaugranas decidiram que não haverá treinamento nesta terça. Outros clubes também aderiram à greve geral. 

A paralisação geral das atividades neste dia 3 de outubro tem como intuito, segundo comunicado oficial, aderir a uma paralisação promovida pelo órgão "Mesa para la Democracia" - cujo objetivo é convocar pessoas de todo país para protestarem contra a violência das autoridades espanholas. Com isso, todos os atletas e funcionários estão dispensados da apresentação.

Nesta segunda, logo depois de paralisações de funcionários em protestos no Camp Nou, em La Masia, no Miniestadi e na Cidade Esportiva da equipe, o time de Ernesto Valverde, líder isolado da La Liga, treinou normalmente. Os jogadores da seleção espanhola e o trio sul-americano Paulinho, Messi e Suárez não estiveram presentes por conta da semana de "data Fifa".

Outros dois clubes da Catalunha, Girona, debutante na elite, e o Espanyol também abraçaram o protesto impulsionado pela "Mesa por la Democracia". O Girona chegou a cancelar treinos ainda nesta segunda. As atividades voltarão ao normal na quarta (04). 

CRÍTICAS DA IMPRENSA

Em meio ao turbilhão de protestos que assolam a Catalunha, o Barcelona entrou em campo no último domingo, no Camp Nou, para encarar o Las Palmas sem torcedores. O clube chegou a tentar adiar a partida, mas diante da negativa da La Liga e com receio de perder seis pontos no Espanhol, uo time entrou em campo com os portões fechados. Venceu por 3 a 0, com gols de Messi (2) e Busquets.

Contudo, a decisão do Barcelona gerou insatisfação da imprensa catalã, sobretudo. Diversos jornais esportivos vão na mesma direção. Qualificam como "vergonhosa" a decisão do clube em entrar em campo com portões fechados contra o Las Palmas. O domingo era de votação no referendo que teve o sim ganhando com 90% pelo desejo de se separar da Espanha. A polícia espanhola usou de força e agrediu quem tentou votar. Mais de 800 feridos foram contabilizados. Leia mais no Blog do Bechler.

 

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos