Do Audax para a MLS! Brasileiro relata sua vida de dirigente nos EUA

Não é incomum o desejo de morar e trabalhar fora do país em uma situação que te deixe próximo de suas paixões, ainda mais se for nos Estados Unidos, destino preferido dos turistas e o maior mercado esportivo do mundo. Um desses casos é o do brasileiro Ricardo Moreira, diretor de futebol do Columbus Crew, um dos mais tradicionais clubes da Major League Soccer (MLS) e que ocupa a quinta posição na tabela da Conferência do Leste, suficiente para garantir uma vaga nos playoffs da competição.

Formado em Direito, com especialização em Gestão de Esportes, Ricardo iniciou sua trajetória no futebol cuidando da área de Direito Desportivo em um escritório de advocacia. De lá saiu para trabalhar em uma empresa que prestava serviço para o Grupo Pão de Açúcar, especificamente para a área de investimentos em esportes, entre eles o Audax, clube que abrigava a grande maioria dos jogadores pertencentes ao Grupo.

- Por estar sempre no clube fazendo a gestão desses contratos, eu acabei me tornando advogado do Audax e depois me tornei diretor de futebol por uma temporada e meia, até o final de 2015 - disse Ricardo em entrevista ao LANCE!

A partir dessa etapa profissional tem início o sonho americano, motivado pelo peculiar estilo de jogo aplicado por Fernando Diniz, que chamou a atenção dos olheiros do Columbus Crew interessados em entender presencialmente como funcionava aquele método tão inovador. Foi aí que Ricardo deu seus primeiros passos rumo à MLS.

- Eu era o único do clube que falava inglês na época e a gente acabou se aproximando, eu passei alguns jogadores que a gente tinha a intenção de negociar, acabou que o negócio de jogador não saiu, mas eu me aproximei deles e ali no comecinho de 2016 eu virei um consultor internacional para o Columbus - contou Ricardo.

O trabalho do brasileiro consistia em apresentar o Columbus para o resto do mundo, mantendo contato com outros clubes pelo resto do planeta e valorizando a marca, já que não se trata das agremiações mais ricas da liga. Nessa empreitada, Ricardo trouxe o time para fazer a pré-temporada no CT do São Paulo, em Cotia, com direito a amistoso contra o próprio Tricolor, o Audax e o Ituano.

A missão deu certo, trazendo resultados significativos dentro e fora de campo. Não demorou muito para que Ricardo Moreira subisse mais alguns degraus de importância dentro do clube.

- A partir do final da última temporada eu virei chefe do recrutamento de jogadores, que seria o diretor de futebol do clube, o treinador também é um diretor de futebol, mas em tudo o que se relaciona ao vestiário, ao campo, ao time, e eu fico responsável pelas contratações do clube, tanto as vendas quanto as compras, também sou responsável por gerenciar a nossa rede de olheiros ao redor do mundo - explicou.

Foi inevitável o choque de culturas e a comparação entre a gestão brasileira e a norte-americana em um clube de futebol. O significado da palavra profissionalismo passou a fazer mais sentido, principalmente quando o assunto é contratações de jogadores.

- Nos Estados Unidos os clubes não são associações civis sem fins lucrativos como são no Brasil. Lá existe um dono, tem uma gestão, tem um CEO, tem gente interessada em fazer aquele negócio dar certo. O CEO do clube jamais vai contratar um atleta por uma grana alta se o pessoal da análise de desempenho falar que não serve e que o valor não é compatível com o que o jogador pode oferecer. No Brasil isso não acontece, temos essas contratações laterais e tudo isso que a gente conhece - declarou o dirigente.

O profissionalismo pode ser visto pela preocupação em ter uma rede de olheiros pelo mundo em busca de jogadores que se adequem aos desejos do clube. Um deles o brasileiro Leonardo Baldo, que trabalhava na análise de desempenho do Corinthians, área que, aliás, é considerada umas das mais vitais para o Columbus, visto que uma regra da MLS exige precisão na montagem do elenco.

- A gente não tem a possibilidade de ser um Flamengo ou um Palmeiras, que têm 50 jogadores, por ser uma imposição do regulamento. A gente só pode ter 28 jogadores no elenco no ano inteiro, sendo que oito precisam ser sub-23, e ainda temos uma limitação financeira da Liga e do nosso clube, a gente não pode arriscar tanto quanto esses outros times ao redor do mundo, que podem contratar e não dar certo. A gente não, a gente precisa ser muito mais minucioso e cuidadoso, porque a chance de erro tem de ser mínima, a gente não tem como substituir o cara - detalhou Ricardo.

Ao contrário do que acontece no Brasil, as estrelas do futebol não têm contrato garantido em qualquer clube da MLS, já que não basta apenas trazer o nome e o marketing, mas também desempenho e resultados dentro de campo. Se não houver consenso entre os setores responsáveis, a contratação não será feita.

- O cara pode ser o craque que for, pode ter a história que for, se ele não tiver o que a gente busca na posição que ele vai jogar, ele não vai ser contratado. Independentemente da oportunidade, ele pode ser um cara que vai vender um milhão de camisas, não é só marketing, a preocupação é com o desempenho em campo. Se ele não entregar o que a gente quer, para o Columbus não interessa - afirmou.

Para Ricardo Moreira, o mercado do futebol nos Estados Unidos é cada vez mais atraente para os profissionais do esporte no Brasil, tanto para os interessados em cargos fora de campo, quanto para os jogadores.

- Para um jogador que estourou a idade nas categorias de base e não está sendo utilizado na equipe principal é melhor emprestar esse garoto para um time dos EUA do que para um pequeno no Brasil. Lá ele vai jogar em uma vitrine um pouco melhor do que as dos times menores do Brasil, vai aprender outra língua, vai ter uma experiência como homem, vai crescer como pessoa, vai ter uma estrutura fantástica e provavelmente vai ser titular, vai jogar 40 jogos no ano e vai evoluir como jogador, acho muito mais interessante - disse.

Embora não more nos Estados Unidos em tempo integral, passando 15 dias no Brasil e 15 dias por lá, Ricardo já tem a certeza que a experiência de gestão no Columbus Crew é um aprendizado sem igual, que dá a ele condições de um dia trazer o conhecimento adquirido em trabalhos em território brasileiro ao em qualquer outro lugar do mundo.

- Lá todo mundo sabe a sua função, todo mundo tem metas, todo mundo vai ter seu desempenho avaliado e é tudo preto no branco, é justo, é correto. Você não pode reclamar de condições de trabalho, nem da avaliação de seu trabalho como profissional, não tem o que falar. Lá, tudo é investimento em pessoa, tudo é investimento em equipe, tudo você faz pensando no retorno que você vai ter e o que o profissional vai te entregar - concluiu.

CONFIRA O BATE-BOLA COM RICARDO MOREIRA, DIRETOR DE FUTEBOL DO COLUMBUS CREW (EUA)

Como o Columbus Crew pensa o futebol?

É um clube que usa menos o futebol força, que é características da Liga, e usa mais a questão técnica. Isso passa por toda a comissão técnica, a gente tem ali um treinador que jogo duas Copas do Mundo, jogou Campeonato Alemão, jogou Premier League, o nosso assistente técnico jogou no Valencia, todos os treinadores das categorias de base foram trazidos da Espanha, do Valencia, do Villarreal, do Levante, para tentar mudar a características dos jogadores americanos que estão com a gente, não só para padronizar o primeiro time com toda a base, mas também mudar o modo de treinamento baseado nesse estilo espanhol que o treinador gosta muito e que é o de posse de bola.

Como é a sua rotina de trabalho no clube?

Eu continuo morando em São Paulo, porque o treinador também faz essa função de diretor de futebol, cuida do vestiário, mas eu vou para Columbus todo mês, fico lá entre dez e 15 dias para acompanhar os treinos, para ver exatamente o que está acontecendo, para fazer essa interface com a comissão técnica, sobre o que a gente está precisando, o que a gente está buscando, quem fica, quem sai, para poder gerenciar melhor o trabalho dos olheiros e indicar todas as negociações que a gente faz. Estamos hoje fechados com praticamente tudo o que a gente precisa para o elenco do ano que vem. A gente está pensando em 2018 desde julho, provavelmente neste mês de outubro a gente já tenha nossos alvos definidos e as negociações adiantas.

Seu trabalho no clube parece ser de muita paciência, dá para comparar com a cobrança existente no Brasil?

Não só não existe essa paciência no Brasil como, para você ter ideia, 90% da nossa comissão técnica está no clube desde o final de 2013, com bons e maus resultados, mas a gente tem claro na nossa cabeça que neste ano o foco é a classificação para os playoffs da MLS. Não classificar seria não alcançar um objetivo traçado no começo da temporada, mas também não é nenhum fracasso, se pensar no que a gente coloca no papel no começo do ano, que é o que a gente vai investir e o que a gente vai buscar, comparado com outros clubes em situação bem diferente da nossa, não pode considerar um fracasso.

Diante das limitações financeiras e o regulamento da Liga, como funciona o processo de contratação do clube?

Para os olheiros que eu converso, a gente tem cinco hoje e eles estavam em outros clubes grandes, eles falam que o trabalho na MLS é mais desafiador por conta disso. Você tem zero contratação direta, ou seja, aquelas que o presidente mandou ou que o treinador pediu. O americano respeita muito o processo. Se vamos contratar um jogador que o treinador quer, nós vamos acionar nossos olheiros, nossa área de desempenho, para ir atrás desse cara. Aí tem todo esse processo acontece naturalmente. É óbvio que o treinador vai indicar jogadores, mas se eles não passam na análise, a chance de o atleta de ser contratado é de 1%.

De que forma você convence o jogador a atuar com vocês na MLS?

O processo de convencimento tem sido cada vez mais fácil, é claro que a gente tem essa barreira, a gente é um clube vendedor, a gente já fez nos últimos dois anos alguns milhões de dólares em vendas de jogadores. Recentemente a gente vendeu um zagueiro da Costa Rica para a Itália por 5 milhões de dólares, que a gente contratou por 150 mil dólares. Acabamos de fazer a venda de um zagueiro para o Heerenveen, da Holanda. O nosso centroavante, o Ola Kamara, um norueguês que não para de fazer gol, a cada janela tem proposta de Premier League, de Liga Francesa...

O Columbus tem algum brasileiro no elenco?

A gente tem o Artur, do São Paulo, está emprestado até o final do ano, está indo muito bem, a gente tem uma opção de compra, ainda vamos discutir essa situação acabando a temporada, mas foi um cara que chegou, se adaptou rapidamente, está aprendendo inglês, falando inglês, uma baita experiência de vida, tem jogado, e para ele é muito bom também.

O que mais te motivou a trabalhar com o Columbus Crew?

É uma liga em crescimento, com cada vez mais visibilidade, cada vez mais investimentos, estabilidade, profissionalismo e, particularmente falando de Columbus, a capacidade e a oportunidade que a gente tem de participar de todo o processo decisório. Acho que isso existe em poucos clubes, ou seja, é uma oportunidade que traz um desafio muito grande para crescer como profissional e quem sabe no futuro voltar para o futebol brasileiro, ou ir para outro lugar levando o conhecimento adquirido nessa Liga, porque quando os americanos se propõem a fazer alguma coisa, eles fazem muito bem e de maneira caprichosa. É um grande aprendizado.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos