Drama familiar dentro do futebol moldou promessa do Corinthians

Entre 15 de dezembro de 1994 e 21 de janeiro de 2000 passaram-se mais de 1.800 dias, e a maioria deles cheia de dúvidas e sofrimento para a família Costabile Elia. Os aproximados cinco anos separam a data da morte de Paulo Sérgio Costabile Elia e o nascimento de Sergio Costabile Elia, primos que jamais se conheceram, mas que alimentaram pelo menos duas paixões em comum: o futebol e o Corinthians.

Nesta quarta-feira, às 16h, o primo nascido em 2000 estará no elenco da equipe sub-17 do Corinthians que enfrenta o Vitória pela volta das quartas de final da Copa do Brasil da categoria. Além de buscar a classificação após o empate em 0 a 0 na semana passada, na Arena Corinthians, Serginho seguirá trabalhando, entre outros motivos, para honrar a memória do primo que morreu em 1994.

- Meu primo foi um corintiano fanático. Meu pai me conta que ele ia em todos os jogos e que se ele estivesse vivo eu seria praticamente filho dele, porque ele teria muito orgulho de mim - conta Serginho, em entrevista ao LANCE!.

Paulo Sérgio, o primo de Serginho, foi vítima fatal de um dos casos de violência mais conhecidos da história do futebol brasileiro. Logo após o primeiro jogo da final do Campeonato Brasileiro entre Corinthians e Palmeiras, ele deixava o estádio do Pacaembu sentado na caçamba de uma picape ao lado de outros amigos corintianos quando foi atingido por um tiro na cabeça. O disparo foi feito no cruzamento da avenida Henrique Schaumann com a rua Artur de Azevedo, no bairro de Pinheiros. O responsável pelo tiro era um homem que se identificou como torcedor do Palmeiras e foi condenado em 2008 a 12 anos de prisão. A família da vítima carrega o sofrimento até hoje.

- Ele era bastante querido por todos, meu pai tinha uma relação próxima com ele e eu também queria ter conhecido. Isso impactou muito nossa família, porque ele morreu novo (aos 31 anos), tinha uma vida pela frente - conta Serginho, que foi moldado pelo drama familiar para amadurecer cedo.

- Violência é muito triste. Hoje em dia você tem tanta informação e tecnologia que a mente das pessoas também deveria evoluir. Sei que sempre vai existir rivalidade, mas briga e morte não deveria acontecer, porque sempre sobra para uma família, alguém que não tem nada a ver.

A trajetória - Serginho é bicampeão paulista nas categorias de base. Primeiro pelo Santos, no sub-11, e depois pelo Corinthians, no sub-13. Ele defendeu o Peixe por dois anos, mas uma fase de falta de oportunidades fez com que aceitasse uma oferta do Timão em 2013. Entre 2014 e 2015 ele foi convidado nove vezes para a base da Seleção Brasileira e traçou uma trajetória promissora no Corinthians, com três gols no Paulista sub-17 deste ano e boa projeção.

Relacionado para a partida desta quarta-feira contra o Vitória, no Barradão, Serginho se recuperou recentemente de uma lesão séria no joelho e já esteve no banco de reservas em duas partidas. Caso seja utilizado, jogará um pouco em memória de Paulo Sérgio.

- Jogo um pouco por ele, sim. Dentro do clube tem conselheiros e diretores que já me falaram dele, que lembram e associam. Se Deus quiser, lá na frente, em pouco tempo, vai ter um novo Elia brilhando no Corinthians.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos