Clubes árabes acionam Cruzeiro na Fifa e cobram indenizações por Thiago Neves e Denílson

O Cruzeiro voltou a ser cobrado na Fifa. Depois de ter sido acionado pelo Tigres do México por conta de uma dívida referente a transferência do atacante Rafael Sobis, a Raposa está sendo denunciada pelo Al Jazira e Al Wahda, que cobram valores pelo meia Thiago Neves e pelo volante Denílson, respectivamente.

Através da Fifa, o Al Jazira cobrou uma dívida de 9 milhões de euros, cerca de R$ 34 milhões, alegando que o contrato do jogador, que era válido até 2018, foi rescindido com base apenas no interesse do meia, o que teria prejudicado o clube.

Anunciado pelo Cruzeiro no dia 5 de janeiro, Thiago Neves só pôde atuar com a camisa celeste a partir do dia 20 de fevereiro, quando seu nome foi publicado no BID. A estreia demorou porque o Al Jazira segurou a liberação da documentação necessária para o registro do jogador. Para adiantar a resolução do problema, o meia solicitou seu advogado, que moveu uma ação contra os árabes, pedindo o pagamento de salários atrasados e multa por descumprimento contratual. Thiago ficou afastado do time principal, entre outubro e dezembro de 2016, sem receber durante os referentes meses e sua liberação só aconteceu no dia 17 de fevereiro.

Em entrevista ao Superesportes, o diretor jurídico do Cruzeiro, Fabiano de Oliveira Costa, explicou o processo contra o Cruzeiro, dizendo que o clube foi citado como responsável solidário, sendo acusado de induzir o jogador a encerrar o vínculo com o time árabe, fato que foi negado pelo advogado.

- O clube [Al Jazira] já estava descumprindo obrigações. Eles não pagavam salários, por exemplo. O Cruzeiro, em momento nenhum, exerceu influência sobre a saída dele.

Em abril deste ano, o Al Jazira assumiu em sua defesa que deve Thiago Neves, mas insiste em atribuiu a rescisão a vontade do atleta com a intenção de receber algum valor do Cruzeiro. Por meio da assessoria de Thiago Neves, seu empresário informou que o caso deve ser julgado no primeiro semestre de 2018.

O clube também está sendo processado pelo caso do volante Denilson, que defendeu o Cruzeiro enfre julho e novembro de 2016. Na ocasão, a Raposa fechou o valor de R$ 850 mil euros, cerca de R$ 3,2 milhões, com o Al Wahada, para contratar o jogador. Porém, a equipe árabe alegou que o clube celeste não pagou a quantia determinada. Fabiano de Oliveira Costa confirma o débito pendente do Cruzeiro, que já apresentou a defesa.

- Há realmente o processo. Eles cobram o valor do empréstimo, que é de 850 mil euros, e não foi pago. Isso é sem os juros. Os juros estabelecidos pela Fifa são de 5% ao ano. Em todas as ações são assim - apontou.

Denilson chegou ao Cruzeiro com um contrato de seis meses e a missão de se recuperar de uma lesão. Com a camisa celeste, entrou em campo apenas cinco vezes, sendo duas como titular.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos